Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Polícia descarta rixa entre torcidas em morte de corintianos

Oito homens foram executados a tiros em sede da Pavilhão Nove, na Zona Oeste. Polícia suspeita de problema por tráfico de drogas e já tem lista de suspeitos

Por Veja São Paulo Atualizado em 5 dez 2016, 12h34 - Publicado em 19 abr 2015, 14h38

O Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil descartou a possibilidade da chacina que deixou oito homens mortos na sede da Pavilhão Nove, torcida organizada do Corinthians, ter qualquer relação com rivalidade entre torcidas. A principal hipótese é que o crime seja resultado de uma briga por causa de tráfico de drogas, já que duas das sete vítimas identificadas até agora têm histórico de envolvimento com esse delito.

+ Polícia reabre investigações da morte de Marcos Matsunaga

Entre os mortos, está Fábio Neves Domingos, um dos corintianos que ficou preso na Bolívia, acusado de matar o garoto Kevin Espada com um sinalizador durante um jogo no país.

Os investigadores agora analisarão as imagens de câmeras de segurança da região para tentar identificar os assassinos. Em entrevista coletiva, o delegado do DHPP Arlindo José Negrão Vaz afirmou já haver suspeitos.

Testemunhas informaram à polícia que pelo menos três homens encapuzados e armados invadiram a sede da torcida, lozalizada embaixo da Ponte dos Remédios, próxima à Marginal Tietê, na Zona Oeste, na noite deste sábado (18).

+ Porsche bate em cinco carros e atropela motociclista na Mooca

Os assassinos mandaram as pessoas deitarem chão bem próximas, o que configura execução, e atiraram contra a cabeça de sete delas, mortas no local. A oitava vítima foi baleada dentro da quadra da torcida, mas conseguiu fugir em direção à rua. Ela caiu em um posto de combustível e foi levada ao Hospital das Clínicas, onde morreu. Foram encontradas cápsulas de pistola 9 milímetros próximo aos corpos.

+ Confira o que acontece de mais importante na cidade

O Corinthians enfrenta o Palmeiras neste domingo (19), às 16h, pela semifinal do Campeonato Paulista, no Itaquerão. A Polícia Militar montou um esquema especial de segurança para receber os torcedores visitantes. A medida, porém, não tem relação com o crime e é comum em jogos clássicos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês