Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Vias em São Paulo homenageiam personalidades polêmicas

Borba Gato e Sérgio Fleury são alguns dos personagens controversos

Por Guilherme Queiroz 20 abr 2018, 06h00

A cidade de São Paulo tem mais de 65 000 registros de logradouros, entre ruas, avenidas, praças e viadutos. Esses locais foram batizados em referência às mais diversas figuras históricas, como políticos, artistas, atletas, cientistas e indígenas. Algumas dessas personalidades, no entanto, tiveram episódios desabonadores em sua trajetória, o que tornou a homenagem polêmica com o passar dos anos. Confira vias que não agradam a parte dos paulistanos.

Rua Borba Gato (Santo Amaro). Integrante de expedições em busca de ouro no interior, o bandeirante é considerado um símbolo do extermínio indígena no Brasil colonial. Sua estátua, na Avenida Santo Amaro, já foi alvo de pichações.

Rua Doutor Sérgio Fleury (Vila Leopoldina). Chefe do Dops, órgão de repressão da ditadura nos anos 60 e 70, ele acumula denúncias de tortura. Essa foi uma das vias cujo nome a Comissão da Verdade tentou alterar, por homenagear colaboradores do regime militar.

Sérgio Fleury: chefe do Dops J. Ferreira da Silva/Veja SP

Rua Senador Filinto Muller (São Rafael). Senador, ele articulou a política repressiva da ditadura de Getúlio Vargas e atuou na deportação da judia Olga Benário, mulher do líder comunista Luís Carlos Prestes, morta em campo de concentração nazista.

Filinto Muller, senador que atuou na deportação de Olga Benário Antonio Andrade/Veja SP
  • Continua após a publicidade
    Publicidade