Continua após publicidade

Ex-pediatra Eugênio Chipkevitch, que violentou seus pacientes, tenta mudar de regime

Do Enem a trabalhos na cadeia, o ex-médico tenta ir pra casa - mas o passado pedófilo não sai de sua mente

Por Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 Maio 2024, 22h23 - Publicado em 25 fev 2022, 06h00

Condenado em 2004 a 114 anos de cadeia por abusar sexualmente de meninos de 8 a 13 anos, por filmar suas cenas de sexo com as crianças (elas eram dopadas) e por corrupção de menores — todas as vítimas eram seus pacientes —, o ex- pediatra ucraniano naturalizado brasileiro Eugênio Chipkevitch, 67, atualmente detido em Sorocaba, quer ir para casa.

+ Modo detetive: 8 preciosas dicas para evitar golpes em encontros on-line

Os fatos, tornados públicos em 20 de março de 2002, foram descobertos após o médico jogar fora um conjunto de fitas cassete contendo as imagens estarrecedoras. O material foi parar no Programa do Ratinho, no SBT, ele foi descoberto e preso. Nos últimos anos, sua defesa protocolou sucessivos pedidos para a progressão de pena, sob a alegação de que ele já cumprira tempo suficiente em regime fechado para requerer uma prisão mais branda.

Em um dos recentes desses pedidos, o desembargador Ricardo Cardozo de Mello Tucunduva, do Tribunal de Justiça de São Paulo, afirmou que o condenado não possui condições para deixar a prisão neste momento. “Os planos para o futuro mostram-se vagos, e, ainda, há presença de elementos que não recomendam o benefício pleiteado. Aliás, é claro que a sociedade não pode, simplesmente, receber de volta um indivíduo como o agravante”, disse, citando Eugênio.

Continua após a publicidade
Imagens captadas por uma câmera do então pediatra, acondicionada em tripés instalados no consultório, mostram em detalhes o ex-médico Eugênio Chipkevitch abusando de seus pacientes.
Imagens captadas por uma câmera do então pediatra, acondicionada em tripés instalados no consultório, mostram em detalhes o ex-médico Eugênio Chipkevitch abusando de seus pacientes. (Crédito/Reprodução)

Se o futuro é impeditivo para a concessão do benefício, os resquícios de seu passado de abusador de crianças tampouco lhe saem da cabeça. Segundo a conclusão do teste de Rorschach, que analisa a personalidade, as fantasias infantis ainda estão presentes na mente do ex-pediatra. “A sua autonomia refletida não tem conseguido lidar efetivamente com a interferência de fantasias infantis, com a ansiedade e com os sentimentos de frustração que se fazem presentes e influenciam a sua dinâmica psíquica e, assim, vemos que ainda demonstra imaturidade psicológica. A sua dificuldade de compreender o comportamento humano de forma amadurecida pode gerar dificuldade nas relações com as demais pessoas, uma vez que consegue controlar sua expressão afetiva adequadamente, mas não consegue demonstrar interesse no comportamento alheio.”

Enquanto não consegue obter o benefício de deixar a cadeia de dia para poder trabalhar fora, Eugenio lê, estuda e realiza atividades laborais com os demais detentos. Desde que chegou ao sistema prisional, há vinte anos, ele conseguiu abater 1 469 dias de sua pena, cerca de quatro anos.

Continua após a publicidade
Imagens mostram homem grisalho em câmeras de segurança. No centro, ele ao lado de uma criança, ela de cueca.
Imagens captadas por uma câmera do então pediatra, acondicionada em tripés instalados no consultório, mostram em
detalhes o ex-médico Eugênio Chipkevitch abusando de seus
pacientes. (Crédito/Reprodução)

Para cada três dias trabalhados ou de estudo, um dia da sentença é suprimido. A última dessas remissões ocorreu em novembro passado, quando ele mostrou ao juiz sua aprovação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Por 1 500 horas de estudo, conseguiu reduzir sua condenação em 100 dias, dos mais de 41 000 dias e noites que deverá permanecer sob a proteção do estado.

Procurado, o advogado Roberto Podval, um dos mais famosos (e caros) criminalistas da cidade, e que atua no processo desde o início, afirmou que seu cliente não está dando entrevista. Questionado se Eugênio estaria pronto para deixar a prisão, Podval não respondeu.

Continua após a publicidade

Quando foi descoberto, o caso logo se tornou um escândalo. Renomado e requisitado, Eugênio, formado em 1978 pela Faculdade de Medicina da USP, possuía dois consultórios no Brooklin e cobrava, em valores atualizados, mais de 1 200 reais por consulta. Também foi chefe do Serviço de Adolescentes do Hospital Infantil Darcy Vargas e membro de associações como o Society for Research on Adolescence (Sociedade para Pesquisa em Adolescência), nos Estados Unidos.

Para poder abusar de seus pacientes, ele impedia a entrada dos responsáveis na sala de consulta. Uma mãe que não terá o nome revelado contou durante o processo de julgamento como percebeu os abusos no filho. “Ele deve ter sido anestesiado porque a veia do pênis estava muito alterada. Eu sempre aguardava do lado de fora do consultório. Somente após o término de cada consulta, que durava cerca de uma hora e meia, eu podia entrar na sala”, diz a mulher, que reconheceu o jovem nas imagens que foram exibidas em rede nacional.

Imagem mostra homem de cabelo grisalho e camisa azul em porta-malas de carro.
Da fama ao camburão: ex-pediatra foi condenado em 2004. (Crédito/Reprodução)

Na época da descoberta dos crimes, Eugênio era divorciado e possuía um filho adotivo com 10 anos de idade. Nos últimos vinte anos, além de não conceder nenhuma entrevista, Eugênio Chipkevitch não explicou em público por que decidiu jogar as fitas fora, em uma caçamba, sem destruí-las. Queria ele ser pego? O material foi descoberto por um funcionário de uma empresa telefônica, que possuía uma câmera do mesmo modelo da do médico.

Talvez, se não conhecesse o equipamento, o homem poderia ter deixado passar um dos maiores escândalos de pedofilia da história do Brasil.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA São Paulo de 2 de março de 2022, edição nº 2778

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.