Clique e assine com até 89% de desconto

Ela coordena um projeto de arte-educação em Heliópolis

A artista Denise Milan está a frente da iniciativa que tem a geologia como ponto de partida e já atendeu mais de 5 000 crianças e adolescentes

Por Tatiane de Assis 8 dez 2017, 06h00

Aos 63 anos, Denise Milan desfruta uma confortável posição no meio artístico. Apaixonada pelas formas da natureza, ela já expôs seus trabalhos com pedras nas principais galerias nacionais e também em museus no exterior, como o Barbican, de Londres, na Inglaterra, e o MCA, de Chicago, nos Estados Unidos. Durante quatro meses do ano, porém, toda a sua energia se volta para Heliópolis, na Zona Sul da cidade, onde está concentrado o Espetáculo da Terra.

Criado em 2010, o projeto gratuito de arte-educação já atendeu mais de 5 000 crianças e adolescentes de 6 a 14 anos de famílias em situação socioeconômica vulnerável. Ao lado de nove profissionais de sua equipe, Denise oferece oficinas de quatro horas de duração nos cinco dias da semana, fora do período letivo.

A artista parte da geologia, tema que a inspira no ateliê, para ajudar os educadores e alunos a criar desde os figurinos até as músicas de um espetáculo para o bairro, Cortejo das Vidas Preciosas. “Em cada etapa de formação de uma pedra preciosa, há forças que ela deve enfrentar. Nossas escolhas na vida seguem o mesmo caminho”, reflete ela.

“O processo de formação das pedras preciosas na natureza pode inspirar as crianças”, diz Denise Milan Ricardo D'angelo/Veja SP

A própria iniciativa teve de superar contratempos. A princípio abraçada pelo Sesc, quando atendia às regiões de Interlagos, Grajaú, Jaguaré e Itaquera, perdeu o apoio financeiro em 2013. “A União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região me chamou e disse que queria dar continuidade ao projeto”, lembra. O forte interesse motivou a paulistana a coordenar de forma voluntária a ação instalada em onze Centros para Crianças e Adolescentes (CCA).

A apresentação final deste ano, realizada em novembro nas ruas do bairro, teve um significado especial para a fundadora. Um dos participantes da primeira edição do Espetáculo da Terra, Igor da Conceição, hoje com 20 anos, consolidou-se na função de educador do CCA. “Aprendi a lidar com os obstáculos e acreditar que tudo de que preciso está dentro de mim”, explica o jovem. A mentora comemora. “Criamos uma possibilidade de inclusão. Eu me sinto viva.”

Espetáculo da Terra. denisemilanstudio.com.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade