Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Número de haitianos em escolas estaduais cresce treze vezes na capital

Atualmente, são 127 alunos matriculados. Rede municipal também registrou aumento no número de estudantes 

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 5 dez 2016, 12h19 - Publicado em 29 jun 2015, 19h46

A chegada dos haitianos em São Paulo, muitos em busca de emprego, já tem apresentado reflexos nas escolas da rede pública. De 2013 para cá, o número de estudantes haitianos na rede estadual cresceu treze vezes. Hoje são 127 alunos – em 2013, eram apenas nove. A rede municipal também está recebendo mais estudantes da República do Haiti: no ano passado havia 29 alunos e, neste ano, 64.

+ O centro dos haitianos

Embora a maioria destes estudantes fale apenas o francês quando chega, a maior dificuldade de adaptação, segundo professoras ouvidos pela reportagem, é a mesma de uma criança que mudou de escola pela primeira vez: fazer novos amigos e se enturmar.

Aluna do 2ª ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual Presidente Roosevelt, a haitiana Alexandre Gerome, de 7 anos, só fala em sala de aula se for “no ouvido da tia”. “Ela ainda tem um pouco de dificuldade com as palavras, mas na escrita já está boa”, contou a professora Juciara Leite.

+ Motorista de Cristiano Araújo estava acima da velocidade permitida

Continua após a publicidade

Quando tentou colocar a aluna entre outros estudantes, a menina chorou. “Ela ficava muito envergonhada, só queria se sentar no canto”. Alexandra veio há dois anos para o Brasil e mora com os pais em uma pensão, com outras famílias de estrangeiros.

A saída pedagógica escolhida pelas professoras para resolver a timidez foi promover trabalhos em grupo, que estimulem a cooperação. O irmão de Alexandra, Harolson, de 10 anos, aproveitou o bom desempenho em Matemática para atrair os colegas. “Ele é muito esforçado, ajuda os outros e acaba criando amizade”, contou a professora Patrícia Tiemi.

+ Acompanhe as últimas notícias da cidade

A interação entre os irmãos também foi uma alternativa para se ajudar no período de adaptação. “Brincamos em casa de imitar o professor. Um ensina para o outro”, contou Harolson, que quer ser engenheiro, mas no Haiti. “Meu pai disse que vamos voltar para lá”.

A maioria dos pais destes alunos em São Paulo trabalha na construção civil ou no comércio, e fica pouco tempo com os filhos. “Só vejo meu pai na hora de dormir”, disse Harolson. A diretora do Presidente Roosevelt, Plantina de Melo afirma, no entanto, que há preocupação com os alunos e até frequência nas reuniões de pais. “Eles são muito enérgicos. Querem saber de tudo que está acontecendo”.

Continua após a publicidade

Publicidade