Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

MPL ameaça com novos protestos caso a tarifa de ônibus aumente

Prefeitura estuda a possibilidade de subir o preço da passagem, atualmente em 3 reais, no começo do ano que vem

Por Veja São Paulo Atualizado em 5 dez 2016, 13h46 - Publicado em 28 nov 2014, 17h51

Protagonista das grandes manifestações de junho de 2013, o Movimento Passe Livre (MPL) publicou uma nota em seu site afirmando que não aceitará “nenhum aumento da tarifa” dos transportes em São Paulo e que a população “tem poder para decidir como deve ser o transporte”, lembrando as manifestações do passado.

+ Confira as últimas notícias sobre a cidade

Atualmente, a prefeitura vem avaliando a possibilidade de elevar o preço da passagem de ônibus, que hoje custa 3 reais. O grupo informou, em mensagem nessa quinta-feira (27) que “todo aumento da tarifa é um roubo, porque cobrar pelo uso do transporte é uma injustiça”.

O MPL foi o responsável pelo estopim das marchas que paralisaram a capital paulista e outras grandes cidades no ano passado, levando a gestão municipal de Fernando Haddad (PT) e a administração estadual de Geraldo Alckmin (PSDB) a anular o reajuste praticado na época, quando a tarifa de ônibus, metrô e trem subiu para 3,20 reais.

+ Haddad discute aumento de tarifa para 2015

Continua após a publicidade

Naquele momento, os manifestantes engajaram-se no mote “não é só pelos 20 centavos”, cobrando das autoridades mais eficiência, conforto e qualidade no sistema público de transportes. Agora, o grupo critica o fato de o dinheiro público repassado às empresas de ônibus não ter parado de crescer nos últimos tempos.

“Desde junho de 2013, o subsídio das empresas só aumentou, sem qualquer diminuição nos seus lucros, ou mudança na forma de remuneração.” Neste ano, a prefeitura deverá gastar, com subsídios ao sistema de ônibus, 1,5 bilhão de reais.  No ano passado, foram destinados para isso, 1,2 bilhão de reais.

 

O governo de Haddad ainda espera a conclusão de uma auditoria feita pela empresa Ernst & Young nas contas do sistema de ônibus para verificar se há meios de reduzir os seus custos e, consequentemente, diminuir a quantidade de dinheiro público gasto com o serviço. O resultado final desse estudo será publicado em 10 de dezembro.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade