Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Minicracolândias persistem e se multiplicam em diferentes pontos da cidade

"Quanto mais tarde fica, pior é”: situação leva moradores a “toque de recolher” voluntário

Por Clayton Freitas Atualizado em 29 abr 2022, 12h05 - Publicado em 29 abr 2022, 06h00

Todos os dias, entre as 18h e as 19h, os pontos de ônibus instalados na Avenida Doutor Gastão Vidigal, na Vila Leopoldina, ficam repletos de pessoas que trabalham em empresas nas imediações. Poucos são os estabelecimentos que permanecem de portas abertas após esse horário naquele trecho da Zona Oeste, embora o movimento nos entrepostos da Ceagesp ainda esteja a todo o vapor. O motivo é o receio de ser abordado — nem sempre de forma gentil — por dependentes químicos que aportam na região no começo da noite em busca de crack.

+ Governo suspende leilão do Rodoanel Norte alegando crise econômica

“É tipo um toque de recolher. Quanto mais tarde fica, pior é”, diz a vendedora Eli Lima, de 43, funcionária há doze anos na região.

Além da Gastão Vidigal, a capital tem pontos de consumo da droga na Avenida Jornalista Roberto Marinho, na Zona Sul, na Baixada do Glicério e na Avenida Paulista, ambos na área central e existentes há mais de dez anos. Também há casos de migração de “minicracolândias” do centro para ruas de bairros como Bresser, Mooca, Brás, Barra Funda e Vila Guilherme, além de Santa Ifigênia, essa última reflexo das ações na Nova Luz.

1. Santa Ifigênia

Santa Ifigênia: Rua dos Andradas passou a ser endereçode dependentes químicos após as açõesna região da antiga Cracolândia; centroreúne vários outros pontos semelhantes
Rua dos Andradas passou a ser endereço de dependentes químicos após as ações na região da antiga Cracolândia; centro reúne vários outros pontos semelhantes Alexandre Battibugli/Reprodução

“O tráfico organiza e reorganiza esses pequenos grupos. Mas não é tão difícil dissolver a compra e venda de drogas, temos é que dar uma solução para essas pessoas”, defende o psiquiatra Ronaldo Laranjeira, que dirige a unidade de pesquisas em álcool e drogas da Unifesp.

Essasminicracolândias reúnem grupos de dependentes químicos que variam de dez a cinquenta integrantes, número bem inferior aos cerca de 600 que rondavam a Nova Luz. Ninguém sabe ao certo a quantidade de gente nesses locais, nem mesmo a prefeitura. “Nosso foco agora é debelar o grande mal que é a Cracolândia. Se a gente ficar focando todos esses outros pontos da cidade, perco força nessa ação”, diz Alexis Vargas, secretário-executivo municipal de Projetos Estratégicos.

+ Governo de São Paulo inaugura primeiro Poupatempo Digital na capital

2. Água Espraiada

Água Espraiada: Ponto de maior concentração nas imediações da Avenida Jornalista Roberto Marinho fica entre as ruas Antônio de Macedo Soares e Barão de Jaceguai
Água Espraiada: Ponto de maior concentração nas imediações da Avenida Jornalista Roberto Marinho fica entre as ruas Antônio de Macedo Soares e Barão de Jaceguai Alexandre Battibugli/Reprodução

Embora a prefeitura não contabilize o número exato de usuários, os moradores notam que os aglomerados humanos vêm crescendo. “O bairro é ótimo para morar, mas fato é que, na verdade, é ‘Drogas Espalhadas’, e não Água Espraiada”, afirma a autônoma Cristina Menichetti, 58, que vive no Campo Belo, referindo-se ao antigo nome da Roberto Marinho.

Ela reside a dois quarteirões da via, onde fica uma “minicracolândia”, mas garante que outros pequenos grupos já se formaram por lá. “Chega a noite e é uma verdadeira cena de Walking Dead, gente revirando lixo, pequenos furtos. Fica difícil”, queixa-se. Um estudo da Unifesp mostra que entre 44% e 46% dos dependentes químicos mantêm o vício por meio de furtos.

Esse tipo de ação acontece em toda parte. No ponto de táxi Aroaba, localizado na rua de mesmo nome na Vila Leopoldina, os dependentes químicos já levaram itens como relógio e geladeira, segundo Aguinaldo Angelito de Souza, de 57 anos, taxista e coordenador das corridas. “Antigamente eram mais pessoas em situação de rua e alcoolizadas. Depois de tantas ações na Cracolândia, a gente começou a ver muito mais gente fumando essa pedra aí”, diz.

No furto mais recente, em março, desapareceu uma calha de luz do abrigo desses profissionais. “O jeito é ir embora cedo. Não tem como ficar depois que escurece”, lamenta.

3. Vila Leopoldina

Vila Leopoldina: Canteiro central da Avenida DoutorGastão Vidigal tem várias barracas depessoas em situação de rua; algumasreúnem grupos para uso de crack
Vila Leopoldina: Canteiro central da Avenida Doutor Gastão Vidigal tem várias barracas de pessoas em situação de rua; algumas reúnem grupos para uso de crack Alexandre Battibugli/Veja SP/Reprodução

Outra “minicracolândia” fica na , em meio a centenas de pessoas em situação de rua que ocupam a raça. Trabalhadores das imediações relatam ser comum brigas entre os dependentes químicos. Na tarde do último dia 13, a reportagem da Vejinha flagrou um homem descalço e sem camisa correndo entre os carros da Avenida Rangel Pestana.

Ele estava com a cabeça ensanguentada, gritava, quase foi atropelado pelos veículos e conseguiu socorro na Secretaria Estadual da Fazenda, onde foi atendido emergencialmente por bombeiros civis. Com uma mão na cabeça tentando estancar o sangramento, e, na outra, um cachimbo, disse que foi golpeado ao tentar entrar numa roda para fumar uma pedra de crack. “Cheguei e nem deram conversa, foram dando paulada”, contou.

Continua após a publicidade

Segundo a psicóloga Maria Angélica Comis, 41, representante do É de Lei, que atua na Nova Luz, o fato de existirem serviços próximos às “minicracolândias” já estabelecidas não é suficiente para lidar com a questão.

“As pessoas continuam no território. Elas não desapareceram. Apenas abordar não é um cuidado, o cuidado vai muito além de um corte de cabelo, de oferecer um centro de acolhida, cheio de percevejos, banheiros inadequados”, afirma.

+ “Achei que a síndrome de burnout fosse me matar”, diz David Uip

O padre Julio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua, afirma que as ações realizadas até agora no centro não inibiram o tráfico, que continua em operação. “O que fizeram foi retirar os pertences de todos. É um absurdo”, afirma.

Alexis Vargas, secretário executivo de Projetos Estratégicos da prefeitura, diz que havia mais barracas do que pessoas na Praça Princesa Isabel. Ele garante que a prefeitura e os órgãos de segurança têm monitorado a movimentação dos traficantes para saber quais são os novos locais em que eles tentam se instalar. “A gente tem ficado de olho e agido de forma pontual”.

4. Alerta na Paulista

Um ponto conhecido de reunião de usuários de drogas é o da Praça José Molina, no entroncamento da Rua Doutor Antonio dos Santos Rocha com a Avenida Doutor Arnaldo, pertinho da Avenida Paulista. Por vezes, alguns acabam por invadir as pistas da saída da passagem que liga a Rua da Consolação à Avenida Rebouças.

O produtor de eventos Mateus Reis, de 27, diz que em fevereiro foi literalmente atropelado por um dependente químico quando pedalava na ciclovia que passa embaixo da praça. “Ele gritava e desceu correndo. Sorte é que não vinha nenhum carro atrás. Caí, mas foi só um arranhão, nem vi pra onde ele foi.”

Túnel José Roberto Franganiello Melhem
Alexandre Battibugli/Reprodução

Após as ações na Luz, uma “minicracolândia” se instalou no Túnel José Roberto Franganiello Melhem, que liga as avenidas Paulista e Doutor Arnaldo. A polícia diz que o ponto foi desbaratado, em março, após a prisão de dois traficantes no local.

Contenção

Grade instaladaem centro comercial na Vila Leopoldina para inibir saques
Grade instalada em centro comercial na Vila Leopoldina para inibir saques Alexandre Battibugli/Reprodução

 

Grade instaladaem centro comercial na Vila Leopoldina para inibir saques

Acima, grade instalada em centro comercial na Vila Leopoldina para inibir saques; imagem ao lado mostra cerca elétrica em posto de combustível no Campo Belo após local ter grades de todos os aparelhos de ar-condicionado furtadas; abaixo, Aguinaldo Angelito de Souza, de 57 anos, mostra onde ficavam relógio e geladeira de água levados por dependentes químicos.

Aguinaldo Angelito,57 anos, taxista
“Antigamente eram mais pessoas em situação de rua e alcoolizadas. Depois de tantas ações na Cracolândia, a gente começou a ver muito mais gente fumando essa pedra aí.” Aguinaldo Angelito, 57 anos, taxista Alexandre Battibugli/Reprodução

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 4 de maio de 2022, edição nº 2787

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês