Continua após publicidade

Justiça determina reintegração de funcionários demitidos pelo Metrô

Empresa tem dez dias para cumprir decisão sob pena de multa

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
4 mar 2024, 17h36

O Tribunal do Trabalho da 2ª Região determinou que o Metrô reintegre com urgência os cinco funcionários demitidos em outubro passado após a paralisação surpresa do dia 12 daquele mês. A decisão da juíza substituta Renata Orsi Bulgueroni, desta sexta-feira (1º), estabelece um prazo de dez dias sob pena de multa diária no valor de 500 reais. 

Na decisão, a magistrada afirma que não procede a alegação de greve abusiva feita pelo Metrô e que as medidas disciplinares administradas pela empresa aos funcionários foram desproporcionais à conduta deles. 

Não procede a alegação da reclamada de que a manifestação do dia 12/10/2023 correspondeu, em realidade, a greve abusiva, pois  não  deflagrada  pela  categoria,  nem  respeitado  o  prazo  de  aviso  prévio,  ao contrário, tratou-se de mera manifestação, que causou paralisação dos serviços de transporte público por breve período. […] não é motivo suficiente para a aplicação, aos empregados envolvidos, da mais elevada sanção trabalhista”, concluiu a juíza.

O documento também indica que caberia ao Metrô a aplicação de advertência ou suspensão de poucos dias aos empregados envolvidos, considerando a ocorrência de sanções anteriores. 

Continua após a publicidade

Ficou determinado ainda o pagamento  de  todos  os  valores  devidos  no período  de  afastamento, integração à assistência médica e previdência complementar anteriormente devidas. Em nota, o Metrô informou que irá recorrer da decisão. 

Relembre o caso

No dia 24 de outubro, o Metrô  puniu nove funcionários alegando faltas graves pela paralisação sem aviso prévio no dia 12 de outubro. 

Dentre os metroviários punidos, cinco foram demitidos, um foi suspenso por 29 dias e outros três foram “suspensos sem remuneração”, por terem estabilidade sindical, incluindo diretores e o vice-presidente do Sindicato dos Metroviários. Esses ainda devem ser submetidos a inquérito perante o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), segundo a empresa. 

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.