Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Pai de Henry homenageia filho com uma tatuagem no braço

O tatuador revelou que este foi o trabalho mais difícil de sua carreira de mais de vinte anos

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 7 Maio 2021, 15h16 - Publicado em 7 Maio 2021, 15h02

Leniel Borel, pai do menino Henry, de 4 anos, morto em março, fez uma homenagem ao filho. O engenheiro tatuou o rosto de Henry no braço para eternizar a imagem dele na pele. 

O desenho nasceu de uma das fotos do menino tiradas por Leniel em janeiro. A imagem em que Henry aparece sorrindo foi tatuada em seu braço esquerdo, durante uma sessão de sete horas em um estúdio em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

“Amigos, queria agradecer aqui o Gustavo [tatuador]. Ele está eternizando o meu filho aqui no meu braço. Está sendo uma homenagem muito especial para mim conseguir para sempre colocar meu filho aqui para estar sempre do meu lado”, disse em um post na internet.

Um braço com uma tatuagem de uma criança sorrindo, ao lado uma foto recortada desta tatuagem
Menino Henry: rosto tatuado no braço do pai Instagram/Reprodução

O tatuador, profissional com mais de 20 anos de experiência, relatou que este foi o trabalho “mais difícil” de sua carreira. Gustavo Tattoo conta que, durante a sessão, Leniel não parou de falar como o menino era lindo, se emocionando e emocionando a ele também, contou o artista ao Jornal Extra. 

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

A post shared by Gustavo Gomes (@gustavo.tattoo)

Prisão preventiva de Jairinho e Monique

A juíza Elizabeth Machado Louro, da 2ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, decretou a prisão preventiva do Dr Jairinho, e de Monique Medeiros — ambos suspeitos da morte do menino, nesta sexta (7). Agora o casal é réu pela morte da criança.

Na terça-feira (4), a polícia concluiu o inquérito que apurava a morte de Henry Borel Medeiros, ocorrida no dia 8 de março. A polícia alega que o menino morreu por conta de agressões do padrasto, o vereador Dr. Jairinho, e pela omissão da mãe, Monique Medeiros. Ambos estão presos.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade