Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Monique confessa que não foi ela quem encontrou Henry morto, diz colunista

Mãe de Henry Borel mudou a versão de seu depoimento

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 21 abr 2021, 20h11 - Publicado em 21 abr 2021, 20h10

Monique Medeiros, mãe de Henry Borel Medeiros, mudou a versão de seu primeiro depoimento e relatou que não foi ela quem encontrou o filho caído no chão do quarto do casal. As informações são da colunista Juliana Dal Piva, do Uol.

A mãe do menino tinha relatado à polícia que dormiu assistindo à TV junto com o vereador no quarto de hóspedes, e que teria acordado de madrugada e encontrado Henry caído no chão. Na nova versão do acontecimento, Monique teria dito que foi obrigada pelo vereador e médico Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), a inventar uma versão que “seria melhor até para ela”.

A defesa de Leniel Borel, o pai de Henry, já tinha apontado essa contradição no depoimento. De acordo com advogado, Monique disse ao pai do garoto no hospital Barra D’Or (onde o menino deu entrada já sem vida), que o vereador já estava ao lado da criança quando chegou ao quarto do casal e encontrou Henry no chão.

Monique está presa desde o dia 8 de abril e é investigada junto com Dr. Jairinho pela morte do menino.

Henry morreu no dia 8 de março em um apartamento na Barra da Tijuca, onde morava com a mãe e o padrasto. Laudo de necropsia do Instituto Médico-Legal (IML) diz que o menino sofreu 23 ferimentos pelo corpo. A causa da morte foi “hemorragia interna e laceração hepática”. A criança sofreu lesões hemorrágicas na cabeça, lesões no nariz, hematomas no punho e abdômen, contusões no rim e nos pulmões, além de hemorragia interna e rompimento do fígado.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade