Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Concertos

Por Pedro Ivo Dubra Atualizado em 5 dez 2016, 18h21 - Publicado em 22 dez 2010, 22h09

MELHOR

Orquestra Filarmônica de Dresden

Entre as atrações de alto nível de 2010, sobressaiu esta tradicional orquestra alemã. São 140 anos de bons serviços prestados à música erudita, honrados em duas récitas na Sala São Paulo em maio. O maestro espanhol Rafael Frühbeck de Burgos mostrou ótimas leituras das duas primeiras sinfonias de Johannes Brahms. Já o violoncelista alemão Johannes Moser solou com competência em peças de Robert Schumann e Richard Strauss. Uma boa notícia para 2011: Frühbeck de Burgos regerá a Nona Sinfonia de Beethoven no primeiro programa da Osesp, em março.

 

PIOR

José Carreras

O espanhol é mais do que um integrante do famoso grupo Três Tenores. José Carreras foi uma das gargantas preferidas do austríaco Herbert von Karajan (1908-1989), um dos grandes maestros do século XX, e teve atuações operísticas memoráveis. Sua melhor fase, contudo, já passou. A arquitetura do HSBC Brasil, mais adequada a shows do que a uma apresentação desse tipo, também não ajudou o artista em seus dois espetáculos em maio e junho. Com a voz já desgastada, Carreras cantou ao microfone, o que sempre desagrada aos fãs do canto lírico interessados em apreciar a extensão vocal.

Continua após a publicidade
Publicidade