Clique e assine por apenas 6,90/mês

João Grandino Rodas, o xerifão da USP

Com pulso firme, o reitor da universidade precisou lidar com a rebeldia dos alunos

Por Alvaro Leme, Leonam Bernardo e Ricky Hiraoka - Atualizado em 5 dez 2016, 17h30 - Publicado em 29 dez 2011, 23h51

Se somados todos os professores, funcionários e alunos da Universidade de São Paulo, chega-se ao incrível número de 110.000 pessoas — população equivalente à de um município médio do interior paulista. A diferença é que, em vez de um prefeito, quem está à frente de toda essa gente é um reitor: João Grandino Rodas, que neste ano precisou de pulso firme para lidar com os reveses de sua Cidade Universitária.

+ Conheça os paulistanos que deram o que falar em 2011

+ Rodas pede reintegração de posse do prédio da reitoria

+ Medidas controversas do reitor aumentam temperatura política na USP

Em novembro, uma minoria radical de estudantes da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) revoltou-se contra tudo e todos, invadiu a reitoria e exigiu, entre outros absurdos, a liberação do uso de maconha dentro do câmpus, o fim do vestibular e a saída da Polícia Militar da universidade — ignorando, claro, a queda dos índices criminais desde que a PM passou a circular lá dentro.

Restou a Rodas pôr ordem e um ponto final na rebeldia juvenil de alunos mimados, recorrendo à Justiça para a reintegração de posse. “Mas não é papel do reitor manter a ordem na universidade”, afirma. “Em uma comunidade de alunos, funcionários e docentes que se orgulham das excelências que alcançam e que pretendem alcançar, o mínimo que se espera é bom-senso, espírito público e gratidão para com a sociedade.”

Continua após a publicidade
Publicidade