Haitianos sofrem atentados na Baixada do Glicério

Seis pessoas foram baleadas em ataques. A principal hipótese é de crime de xeonofobia

Seis imigrantes haitianos foram baleados em dois atentados na região da Baixada do Glicério, onde vivem grande parte das famílias vindas do país.

Os caso aconteceram na última semana, entre sábado (1) e domingo (2). Uma mulher está entre os atingidos. Todos saíram vivos dos ataques e já tiveram alta do Hospital do Tatuapé.

O caso mobilizou a atenção na região da igreja da Igreja Nossa Senhora da Paz, onde funciona a Missão da Paz, trabalho de acolhimento de estrangeiros.

“Quando vieram até nós, relataram que quatro deles foram baleados no sábado próximo a um supermecado. No outro dia, foram dois que ficaram feridos perto de um posto de gasolina do bairro”, relata Padre Paolo Parise, um dos coordenadores da congregação.

“Não sei se foi xenofobia ou se há algo por trás. Mas é fato que em época de crise reações agressivas como essa acabam surgindo. É lamentável. Isso preciso ser investigado”, diz o padre Antero João Dalla Vecchia, o diretor da Casa do Migrante e pároco da igreaja. “Isso indica que o nosso país, embora pareça tranquilo, precisa superar o estranhamento ao que é diferente.”

Ele se refere a uma das hipóteses levantadas, de que os tiros seriam caso de preconceito contra os imigrantes. 

No bairro, uma outra hipótese é citada com frequência: os ataques seriam fruto de vingança de um grupo de assaltantes, que teriam sido impedidos por haitianos de roubar uma mulher que circulava pelo bairro. 

+ Número de haitianos em escolas estaduais cresce treze vezes na capital

+ Sem avisar , Acre envia haitianos para São Paulo

A  Secretaria de Segurança Pública não quis se pronunciar sobre o crime e informou que só prestará esclarecimentos após as investigações. 

+ Haddad inaugura abrigo para haitianos


IMG_0240IMG_0240

 (/)

A Cada do Migrante acolhe hoje 110 pessoas. Às terças e quintas-feiras, a Missão de Paz recebe imigrantes para dar orientação sobre documentação, trabalho e atendimento de saúdo. Em média, quinhentas pessoas são atendidas por semana na unidade. Deste total, pelos menos duzentos são haitianos, outros são de origem africana.

Apesar do esforço que tenta dar estrutura aos haitianos e outros imigrantes, os seis baleados tiveram dificuldade para conseguir atendimento médico após sofrer o ataque. Pelo menos duas unidades de saúde se recusaram a prestar os primeiros socorros. O Padre Paulo Parise contou que conversou neste sábado com Secretário de Direitos Humanos de São Paulo, Eduardo Suplicy. Segundo Parise, a secretaria está apurando a possibilidade de racismo e negligência médica.

+ Confira as últimas notícias da cidade

LEIA TAMBÉM

Como é a vida dos imigrantes haitianos no Glicério. Confira.


haiti347-jpghaiti347-jpg

 (/)

 

 

 

 

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s