Continua após publicidade

Garoto de 10 anos sofre racismo em centro comercial de Perdizes, diz mãe

Segurança diz em vídeo que seu trabalho é o de afastar pessoas que estão “pedindo”; criança é negra e caso vai parar na polícia

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 mar 2022, 19h59 - Publicado em 25 mar 2022, 18h54

O segurança de um pequeno conglomerado de lojas localizado em Perdizes, na Zona Oeste de São Paulo, abordou uma criança negra de 10 anos que foi até uma loja de doces encontrar a sua mãe para que juntos eles comessem um brigadeiro.

+Em nova fase, Butantan terá fábrica de R$ 300 milhões e Parque da Ciência

Antes mesmo de o garoto dar a primeira mordida, ele ouviu que precisava sair da mesa e não podia pedir nada no estabelecimento, o que deixou a mãe, a jornalista especializada em vinhos Suzana Barelli, de 54 anos, perplexa.

“É algo que fazemos toda a sexta-feira. Enquanto ele fica na terapia, eu sento e tomo um café. Como eu sei que ele gosta de brigadeiro, já peço um e deixo para que ele possa vir e comer. No momento em que ele colocou a mão no doce e ia levá-lo à boca, o segurança o abordou e falou esse absurdo”, afirma.

Continua após a publicidade

Em um vídeo, o homem –que não teve a sua identidade revelada– diz que a sua função é a de tirar pessoas que ficam “pedindo coisas” do local.

+Operação da polícia prende suspeito de tráfico na “nova Cracolândia”

Para Suzana, que é branca, trata-se de um caso de puro racismo e ela denunciará o condomínio à polícia. O garoto é filho adotivo dela. Além dele, ela é mãe de uma garota de 14 anos, também adotiva e negra.

Continua após a publicidade

O conjunto de lojas é administrado pela Instant Center, uma empresa que cuida de ao menos 12 espaços iguais ao de Perdizes. O conceito é o de “shopping da vizinhança”, oferecendo lojas que mesclam serviços e conveniência.

+Operação da polícia prende suspeito de tráfico na “nova Cracolândia”

Procurada na tarde desta sexta-feira, a Instant Center informou não ter conhecimento do caso. Segundo uma pessoa que se identificou como gerente comercial, mas que não quis ter seu nome divulgado, o homem responsável pela abordagem é de uma empresa terceirizada.

Continua após a publicidade

Ela justificou a atitude do funcionário que fez a abordagem.

“Nos empreendimentos, a gente tem muitos pedintes”, disse. “Os próprios lojistas pedem para a gente dar uma inibida nisso. Porque geralmente eu tenho praças de alimentação, e tem gente almoçando, fazendo os seus lanches. A gente realmente tenta inibir esses pedintes”, afirmou.

Continua após a publicidade

+Nova pista da Tamoios será aberta ao tráfego de veículos neste sábado (26)

A loja onde ocorreu a abordagem foi a Amor aos Pedaços. A empresa informou ser “veeementemente contra qualquer atitude discriminatória”.

A Amor aos Pedaços disse ainda que o franqueado já foi orientado a pedir uma reunião junto à direção do centro comercial para estabelecerem as normas dentro da lei, exigindo assim, seu cumprimento pela empresa prestadora de serviço de segurança.  

Continua após a publicidade

“Reforçamos que, como empresa, cidadãos e, principalmente, como brasileiros, devemos lutar com todas as nossas forças para que atos dessa natureza não se repitam mais”, diz trecho de comunicado da empresa.

Mesmo alertada sobre a mãe que acusa a Instant Center de racismo, a gerente comercial justificou que a presença de pessoas pedindo alimentos “gera um pouco de constrangimento para quem está lá”.

Ouça abaixo trecho de entrevista da gerente comercial do Instant Center onde ela confirma que a orientação é a de abordar pessoas que pedem nas lojas dos centros comerciais.

Nos 16 minutos em que falou com a reportagem, não pediu desculpas pela atitude do funcionário ou mesmo lamentou o ocorrido.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.