Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Covid: 1º dia de testes em professores tem filas gigantescas e aglomeração

Prefeitura faz inquérito sorológico e trabalhadores denunciam falta de planejamento; gestão promete reforçar equipes e protocolos

Por César Costa Atualizado em 5 abr 2021, 18h08 - Publicado em 5 abr 2021, 16h05

A prefeitura de São Paulo realiza nesta segunda-feira (5) testagem para Covid-19 em profissionais de Educação da cidade. O objetivo é fazer um mapeamento sorológico da Rede Municipal de Ensino. Os testes estão sendo feito em Centros Educacionais Unificados, os CEUs, e trabalhadores denunciam filas e aglomerações em frente às unidades.

À Vejinha, uma professora que não quis se identificar falou sobre a situação. “Quando eles fizeram as testagens ano passado, era na própria escola. Dessa vez eles dividiram e colocaram os CEUs de testagem para várias unidades. Agora está uma fila gigantesca”. Ela ainda contou que na sua unidade a testagem do período da tarde foi cancelada, e que no CEU Feitiço da Vila os testes foram interrompidos ainda antes das 13h.

Segundo a prefeitura, a testagem deveria ocorrer entre os dias 5 e 8 de abril. Há fotos e vídeos dos CEUs das regiões Paz, Jaçanã, Jardim Paulistano, Butantã, Vila Formosa, Aricanduva, São Rafael, Guarapiranga, Sapopemba e Água Azul com filas e aglomerações formadas. Veja abaixo a fila formada no CEU em Jambeiro, região de Guaianases.

 

O vereador Celso Giannazi (PSOL) entrou com um ofício na última sexta-feira (2) questionando a secretaria municipal da Educação sobre a organização da testagem. Em entrevista à VEJA SÃO PAULO, ele se mostrou indignado com a situação. “É uma irresponsabilidade gigantesca. Sem preparo e sem programação”.

No questionamento do vereador foi perguntado sobre quantidade de testes e organização dos profissionais para evitar aglomerações. “Só na rede direta, entre profissionais da educação, são quase 90 mil pessoas. Isso tudo fora as mães que estão trabalhando nas escolas, a rede indireta, os transportadores escolares. É muita gente. E com a falta de estrutura dos CEUs, é óbvio que iria dar problema”.

 

Giannazi afirma que o processo está sendo apressado e que, dessa forma, os profissionais podem se contaminar com a Covid-19 nas filas. “As pessoas estavam em casa, em recesso, e agora saem e enfrentam filas enormes. Pode até ser que hoje (o teste) dê negativo, mas elas podem ter se contaminado hoje com essa aglomeração gigantesca e descobrir dias depois”.

Em nota, a prefeitura afirmou por meio das secretarias municipais da Educação e Saúde que “as equipes serão reforçadas para o atendimento dos professores e servidores da Educação”, além de serem realizadas “novas orientações para que os protocolos de distanciamento sejam cumpridos”.

Continua após a publicidade

Veja abaixo a nota na íntegra.

A Prefeitura de São Paulo, por meio das Secretarias Municipais de Educação e Saúde, esclarece que as equipes serão reforçadas para o atendimento dos professores e servidores da Educação. Também foram realizadas novas orientações para que os protocolos de distanciamento sejam cumpridos.

A ação, iniciada nesta manhã (05), será realizada entre os dias 5 e 8 de abril. Será realizado o mapeamento sorológico em profissionais da Rede Municipal de Ensino, nos 46 Centros Educacionais Unificados (CEUs).

Podem comparecer para a testagem todos os que atuam presencialmente nas unidades municipais: Equipes Gestora, Docente e de Apoio, Auxiliares de Desenvolvimento Infantil, Instrutores de Bandas e Fanfarras, Auxiliares de Vida Escolar – AVE, Mães Guardiãs, estagiários, equipes de serviço de limpeza e cozinha terceirizada e os condutores e monitores do Programa de Transporte Escolar Gratuito – TEG.

Com relação aos casos citados pela reportagem, as secretarias esclarecem que existe uma alta expectativa da parte dos profissionais e servidores de educação para identificarem a resposta imunológica frente à Covid-19.

 

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

  •  

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade