Clique e assine com até 89% de desconto

Como manter os bebês protegidos contra problemas de pele

Confira dicas da dermatologista Selma Furman Helene, do Hospital Israelita Albert Einstein

Por Guilherme Queiroz Atualizado em 21 mar 2018, 17h35 - Publicado em 16 mar 2018, 06h00

Os meses do outono e do inverno costumam ser a época com o menor índice de chuvas e a maior oscilação de temperatura na capital. Assim, os paulistanos são obrigados a sair de casa com um verdadeiro arsenal, que inclui diferentes tipos de roupa, guarda-chuva e garrafa de água. Se a montanha-russa climática é complicada para adultos, torna-se ainda mais agressiva para bebês, que têm a saúde delicada. O cuidado dos pais precisa ser redobrado, principalmente com um órgão do corpo que requer atenção especial: a pele.

  • Autora do blog For Mães, a fisioterapeuta Renata Costa enfrentou alguns problemas com seus filhos, Miguel, de 7 anos, e Murilo, de 2. O primeiro teve uma crise de dermatite, que foi tratada com banhos menos quentes e o uso de um hidratante específico. O segundo sofreu com assaduras, situação resolvida por meio de pomadas indicadas pelo pediatra. “Tive de usar produtos diferentes daqueles do dia a dia, só o creme simples de farmácia não funcionava para curá-los”, explica Renata.

  • O cuidado maior destinado ao bebê se explica pelo fato de que sua pele costuma ser até 30% mais fina que a de um adulto. Os pequenos também têm maior tendência ao ressecamento: se por um lado absorvem mais umidade, por outro também a perdem mais rapidamente. “Além disso, a criança é mais propensa a alergias e irritações em geral do que os adultos”, explica o médico Marun David Cury, um dos diretores da Sociedade Brasileira de Pediatria.

  • Existem três problemas de pele corriqueiros que afligem os bebês de até 1 ano. O mais recorrente é a assadura, que surge normalmente na área da fralda por causa do contato prologado com urina e fezes. Em seguida aparecem as brotoejas, pequenas bolinhas vermelhas comuns nas dobras dos braços e joelhos. Costumam ocorrer no verão, por causa da transpiração, e também no inverno, quando os pais exageram na quantidade de roupa. Há ainda a dermatite seborreica, que se forma geralmente na cabeça e atrás das orelhas devido ao excesso de secreção produzida pelas glândulas sebáceas.

  • Manual da hidratação

    Dicas da dermatologista Selma Furman Helene, do Hospital Israelita Albert Einstein

    Matka Wariatka/Shutterstock/Veja SP

    Reduza a quantidade de cremes e hidratantes. O primeiro erro de muitos pais é exagerar nos produtos químicos, como hidratantes e óleos de banho. Para uma criança, vale a regra “menos é mais”. A pele é fina e não deve absorver substâncias desnecessárias. Um sabonete e um xampu, uma troca de fraldas e um creme antiassaduras com óxido de zinco são mais do que suficientes para o bebê manter sua pele saudável.

    Evite os lenços umedecidos. Quando notar que a criança fez xixi, passe um algodão umedecido para retirar os excessos. Já no caso de fezes, o ideal é lavar a área da fralda com água corrente e sabonete neutro, para tirar os resíduos que podem ficar escondidos nas dobras da pele. Os lenços
    umedecidos devem ser usados somente em casos especiais, quando não há água disponível. A maioria tem sabão em sua composição, e a exposição prolongada a eles pode prejudicar o bebê.

    Não aplique produtos sem consultar um médico. Existem muitos tipos de repelente e protetor solar que devem ser aplicados de acordo com cada criança. Hidratantes precisam ser utilizados sob a supervisão do médico, pois seu uso é indicado só em casos específicos.

    Continua após a publicidade
    Publicidade