Clique e assine por apenas 5,90/mês

Doria anuncia instalação de câmeras e multa para pichadores

No caso de monumentos, a multa será de 50 000 reais. Para muros públicos ou privados, o valor é de 5 000 reais

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 1 fev 2017, 13h55 - Publicado em 1 fev 2017, 13h36

Em mais uma ação de combate aos pichadores, o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou nesta quarta-feira (1) a instalação de 2 500 câmeras ainda neste ano para fiscalizar, principalmente, monumentos da cidade. Escolas e postos de saúde municipais e estaduais, além de grandes vias e pontes, também serão contemplados pelo monitoramento eletrônico.

O programa, chamado City Câmeras, é uma parceria entre a Guarda Civil Metropolitana e a Polícia Militar. Até o fim da gestão, o prefeito prometeu implementar um total de 10 000 câmeras.

Além da fiscalização em vídeo, Doria anunciou multa de 50 000 reais para quem for flagrado pichando monumentos. Aos pichadores de muros públicos e privados, será cobrada multa de 5 000 reais. O valor dobrará em caso de reincidência.

No primeiro mês da gestão Doria, a Prefeitura informou ter detido 41 pichadores, contra os quais serão movidas ações civis públicas. A Secretaria da Segurança Pública (SSP), porém, fala em 33.

Nesta quarta-feira, o tucano se reúne com o Comando de Operações da Polícia Militar (Copom) pela quarta vez para definir os pontos que receberão o monitoramento.

“A cada ano vamos multiplicando, até chegar a 10 000 câmeras em áreas estratégicas da cidade, todas elas integradas ao Copom e ao sistema Detecta, que é administrado pela Polícia Militar”, disse Doria.

Na tarde desta quarta, o prefeito vai discutir a lei para punir pichadores na Câmara dos Vereadores, que reiniciou os trabalhos. “Os pichadores terão multa de 5 000 reais para cada muro privado ou público que for pichado. Se for um monumento, ainda terão mais 50 000 reais. Se for reincidente, multa de 10 000 reais”, explicou.

Continua após a publicidade
Publicidade