Clique e assine por apenas 5,90/mês

Desabamentos deixam quatro crianças mortas Mauá

Bombeiros acreditam que os desabamentos sejam consequências das fortes chuvas

Por Redação Veja São Paulo e Estadão Conteúdo - Atualizado em 17 fev 2019, 11h18 - Publicado em 17 fev 2019, 10h51

As chuvas que caíram sobre a região metropolitana de São Paulo na tarde deste sábado (16) provocaram o desabamento de duas casas em Mauá, na Grande São Paulo. Quatro crianças morreram.

Em um dos desmoronamentos, na avenida Cidade de Mauá, altura do número 1813, um garoto de 8 anos e outra criança de 11 meses, foram encontrados mortos pelos bombeiros na madrugada deste domingo. A mãe deles foi socorrida por vizinhos.

Em outro desabamento, na rua Ane Altomar, número 200, um menino de 4 anos e uma menina de 11 anos foram atingidos. A mãe deles, que estava ferida, foi atendida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Neste mesmo local, um homem, de 41 anos, que teve fratura exposta, foi encaminhado ao Pronto Socorro Nardini, em Mauá. 

Os corpos das crianças foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Santo André.

Os bombeiros acreditam que os desabamentos sejam consequências das fortes chuvas. No total, já são 22 viaturas e 71 agentes envolvidos nos dois resgates.

CHUVA FORTE

As pancadas de chuva colocaram toda a cidade de São Paulo em estado de atenção para alagamentos. A informação é do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), que adicionou as zonas norte, centro, leste e sudeste na lista de regiões que podem sofrer transbordamento de rios e deslizamentos de terra. A Marginal do Tietê também entrou em estado de atenção. 

Na capital, os bairros do Ipiranga, na zona sul, e Aricanduva, Vila Formosa e Itaquera, na zona leste, estão em estado de alerta. A Prefeitura Regional de Aricanduva entrou em estado de alerta às 18h18 porque o Córrego Aricanduva está em “iminência de transbordamento”, informou o CGE.

Continua após a publicidade

No Ipiranga, existe iminência de transbordamento no Córrego Ipiranga na altura da Praça Leonor Kaupa; no Córrego Moinho Velho na altura da Rua 2 de Julho; no Ribeirão dos Meninos na altura do número 594 da Avenida Marginal; e no Rio Tamanduateí na altura do número 600 da Avenida Doutor Francisco Mesquita.

A Prefeitura Regional de Itaquera informa sobre a iminência de transbordamento do Rio Verde na altura da Rua Cunha Porã.

De acordo com o CGE, instabilidades ganharam força durante a tarde e provocaram pancadas isoladas de chuva nas próximas horas. Precipitações moderadas já foram registradas em alguns pontos da cidade. As zonas sul, oeste e a Marginal do Pinheiros já estavam em estado de atenção. 

Segundo o Corpo de Bombeiros, 290 ocorrências foram registradas na região metropolitana entre a 0 hora e as 23:59 deste sábado, sendo 147 acionamentos por queda de árvores, 81 por desabamentos e 62 por enchentes ou alagamentos. 

QUEDA DE ÁRVORES E AEROPORTO FECHADO

As fortes chuvas tiveram início na noite de sexta-feira e fizeram com que o CGE decretasse estado de atenção para alagamentos às 7h48 deste sábado em todas as regiões da cidade, além das Marginais do Tietê e do Pinheiros. O alerta foi mantido até as 9 horas, após a passagem do período de maior instabilidade, e retomado na tarde deste sábado.

Na região central, a queda de uma árvore interditou temporariamente o cruzamento entre a Alameda Santos e a Avenida Brigadeiro Luís Antônio. A via já foi desobstruída. Por causa de um raio, a Linha 10-Turquesa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) operou com velocidade reduzida na manhã deste sábado. Mais cedo, a Linha 15-Prata passou pelo mesmo problema, mas a situação já foi normalizada.

O Aeroporto de Congonhas também foi afetado pelas chuvas. Durante alguns minutos pela manhã, a pista principal teve de fechar para pousos e decolagens. Até as 11 horas deste sábado, alguns voos seguiam atrasados.

Continua após a publicidade
Publicidade