Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Jovens católicos limpam pichações nas paredes da Catedral da Sé

Frases como "se o papa fosse mulher, o aborto seria legal" foram escritas na igreja após ato contra o Projeto de Lei 5.069/2013, que dificulta o acesso ao aborto legal às vítimas de estupro

Por Veja São Paulo Atualizado em 5 dez 2016, 11h55 - Publicado em 1 nov 2015, 16h05

Um grupo de jovens católicos de diversas paróquias se reuniu neste domingo (1º) para limpar a Catedral da Sé, no centro. Os muros estavam tomados por pichações favoráveis ao aborto. Frases como “se o papa fosse mulher, o aborto seria legal” e “tire seus rosários dos meus ovários” estavam entre as mensagens.

+ Saiba mais sobre a manifestação contra o projeto de lei

A igreja amanheceu pichada após manifestação realizada na última sexta (30) contra o Projeto de Lei 5.069/2013, de autoria do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A proposta dificulta o acesso ao aborto legal às vítimas de estupro. Padres que administram o templo repudiaram o ato de “vandalismo”.

Na missa desta manhã, Dom Odilo Scherer, cardeal e arcebispo de São Paulo, lamentou o ocorrido. “A Igreja seguirá proclamando com firmeza e serenidade a Palavra de Deus”, disse. Segundo Scherer, quem luta pelo respeito à mulher deve lutar também pela dignidade da vida não nascida. 

Em nota, a Arquidiocese de São Paulo destacou o valor arquitetônico e artístico das instalações da Catedral da Sé e denominou a ação dos manifestantes como uma “provocação destrutiva”. “A liberdade de expressão, reivindicada historicamente pela Igreja Católica em nosso país, não justifica ato de vandalismo”, diz um trecho do texto.

Continua após a publicidade

+ Taís Araújo é alvo de ataque racista na internet

Uma das organizadoras do protesto, a programadora cultural Jaqueline Vasconcellos disse que o ato não representa o pensamento da manifestação. “Mas entendemos e nos solidarizamos com as mulheres que se manifestaram contra a instituição. Entendemos que a Igreja Católica é um instrumento do patriarcado”, afirmou. Jaqueline disse, porém, que não é “contra nenhuma religião”.

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade