Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

“Planejamos nosso casamento no terraço do Copan”

Sergio Glasberg conta a história de amor que vive com a atriz e diretora Mika Lins

Por Sergio Glasberg, em depoimento a Fernanda Campos Almeida Atualizado em 2 dez 2021, 17h29 - Publicado em 3 dez 2021, 06h00

“Antes de namorar Mika, era um publicitário careta. Ela, atriz e diretora, me mostrou o universo da arte. Conheci outros atores e acabei descobrindo novos jeitos de ver a vida.

Acabamos nos envolvendo no trabalho um do outro. Ensinei um pouco sobre audiovisual, enquanto aprendia com ela a importância das narrativas, e, hoje, fazemos projetos juntos. No início do nosso relacionamento, ficava tão empolgado para sair com ela que sentia minha pressão subir.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Cruzava com a Mika desde a adolescência em mostras de cinema ou em restaurantes. A nossa relação não passava de cumprimentos. Voltamos a nos encontrar na vida mais madura, por volta dos anos 2000, quando ambos estavam divorciados. Ela começou a roubar a minha atenção quando a via em shows e festas.

Imagem mostra uma mesa com um bolo branco em formato ondulado. Ao redor da mesa, uma menina, uma mulher e um casal com terno e vestido branco.
Bodas teve até bolo no formato do prédio. Antônio Gaudério/Divulgação

Sondei uma amiga em comum para saber se a Mika estava solteira e, me provocando, ela dizia que a Mika era muita areia para meu caminhãozinho. Eu consegui o MSN dela e a convidei para jantar. Não seria um date qualquer porque tinha intenções de ter uma história com ela.

Mika morava no Edifício Copan, na região da República — ela é uma espécie de precursora da tendência de artistas morarem no prédio histórico e transformarem o centro no fervo que é hoje —, e fui até lá buscá-la. Estava ansioso e levava um buquê.

Subi até o 28º andar e, quando ela abriu a porta, dei de cara com um apartamento muito bonito, com uma sala enorme e uma vista maravilhosa da cidade. Quase entrei em transe e, como estava em um andar alto, cheguei a sentir vertigem. Parecia um cenário.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Era um estilo de vida que eu não conhecia e queria fazer parte. Mika estava arrumada, linda. Enquanto ela agradecia as flores e procurava um vaso, pensei que tinha me ferrado. Como interagir com essa mulher do jeito certo? Queria me exibir e impressioná-la, então levei Mika ao restaurante Di Bistrot (hoje fechado), onde conhecia o chef.

Continua após a publicidade

Chamei-o até a nossa mesa para pensarmos em um pedido juntos. Conversamos até fechar o local, às 2 da manhã. Voltamos para a casa dela para continuar o papo até o amanhecer. Me senti muito à vontade e de cara compartilhei com ela histórias íntimas. Eu me apaixonei e quis ficar com ela pelo resto do dia.

Imagem mostra uma mulher de roupa preta, óculos quadrados e batom vermelho e um homem de camisa azul detrás. Ao fundo, uma biblioteca.
Sergio e Mika atualmente. Arquivo pessoal/Reprodução

Um mês depois, afirmei que queria namorá-la. Mika destacou que era quatro anos mais velha que eu, iria me infernizar para casar e ter filhos, seria melhor deixar a situação como estava. A fala dela foi um balde de água fria. Na verdade, achava a diferença de idade um charme.

Tirei um dia para pensar e percebi que isso também era o que eu queria. Sabia que não ia encontrar alguém como ela. Tinha certeza de que Mika seria a pessoa com quem teria assunto pelo resto da vida.

Entreguei meu apartamento em Santa Cecília e fui morar com ela. Exatamente um ano depois daquele primeiro encontro, marcamos a data do casamento. Produzimos juntos nossa festa no terraço do Copan para os mais íntimos. Encomendamos o bolo no formato de uma réplica do prédio e decoramos o entorno dele com o piso paulista e bonequinhos de noivos que colecionamos.

Mika entrou com um buquê de balões com gás hélio e seu vestido foi bordado por nossos amigos. A ideia de ter filhos também se realizou. Foi quando decidimos adotar Taciane, que nos apareceu aos 7 e hoje é uma bela mulher de 21 anos.”

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 08 de dezembro de 2021, edição nº 2767

Continua após a publicidade

Publicidade