Clique e assine por apenas 6,90/mês

Camiseta da Cavalera causa polêmica ao fazer sátira de Bolsonaro

"O Brasil não está totalmente preparado para essa tal liberdade de expressão", disse a marca, em nota

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 28 jun 2018, 18h36 - Publicado em 28 jun 2018, 18h34

Uma camisa da marca Cavalera causou polêmica ao apresentar, em sua estampa, uma imagem do pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, como o palhaço Bozo. Ele recebeu o nome de “Bozonaro”. A caricatura, que lembra uma propaganda política, também acompanha o número 66 666.

Diante da polêmica, a grife tem recebido críticas e mensagens de apoio em sua página no Facebook. “A marca perdeu o respeito”, disse um dos internautas. “Cinco estrelas não só pela camisa do Bozonaro, mas também pela coragem de fazer isso”, escreveu outro.

Em nota, a marca informou que “sempre trouxe em suas coleções charges de esquerda, direita, meio, em cima, embaixo” e a peça, que esgotou nas lojas, segundo a empresa, “trazia uma sátira de Jair Bolsonaro e dava início a uma série limitada de camisetas que traria críticas a pessoas públicas”.

Um dos alavancadores da polêmica foi um vídeo publicado na internet, no qual uma mulher vai ao MorumbiShopping, na Zona Oeste de São Paulo. Ela explica ter recebido mensagens no WhatsApp sobre a unidade da Cavalera realizar um “ato de desrespeito ao candidato Jair Bolsonaro”.

Ela então entra na unidade portando uma câmera e filma a camisa que tem a imagem do político caracterizado como palhaço Bozo. “Não tem dos outros candidatos?”, ela questiona o vendedor. “Vocês viram aí como é o respeito, né? Loja Cavalera, shopping Morumbi fazendo essa palhaçada, colocando o cara com o número da besta fera. Custa 159 reais.”

Continua após a publicidade

Confira o vídeo: 

Confira o posicionamento da marca:

“A Cavalera, em seus mais de vinte anos de história, é reconhecida por trilhar um caminho que propõe discussões e pensamentos à sociedade brasileira. Desde seus desfiles em espaços públicos – quando isso ainda não era moda –, até caminhar pelas margens do Rio Tietê, a marca sempre trouxe em suas coleções charges de esquerda, direita, meio, em cima, embaixo.

A camiseta que virou notícia nos últimos dias trazia uma sátira de Jair Bolsonaro e dava início a uma série limitada de t-shirts que traria críticas a pessoas públicas. Mas, o Brasil não está totalmente preparado para essa tal liberdade de expressão.

Desejamos uma boa sorte ao nosso Brasil.”

Continua após a publicidade
Publicidade