Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Calçadas são mais estreitas na periferia de SP, aponta estudo

Bairros como Mooca, Lapa e Pinheiros contam com os passeios em melhores condições da cidade

Por Agência Fapesp 2 set 2021, 14h32

A vida para quem anda a pé não é fácil na periferia da cidade de São Paulo – principalmente em bairros como Brasilândia, Guaianases, Cidade Tiradentes e Sapopemba, onde o percentual de calçadas estreitas (com largura abaixo de dois metros) é maior do que a média da capital. Já regiões como Mooca, Lapa, Pinheiros, Vila Mariana e Sé se destacam positivamente. Nesses bairros o percentual de calçadas com mais de três metros de largura está acima da média da cidade. Especialistas consideram que dois metros é a largura mínima para garantir o deslocamento seguro dos pedestres.

Os dados constam em um documento intitulado “Priorizar o transporte ativo a pé!”, divulgado na segunda-feira (30/08) pelo Centro de Estudos da Metrópole (CEM) – um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão da FAPESP sediado na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) e no Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).

A nota técnica analisa a situação atual e as ações planejadas para as calçadas em São Paulo com base em dados georreferenciados do GeoSampa – portal da Prefeitura Municipal que segue as diretrizes do Plano Diretor Estratégico – e da Pesquisa Origem do Metrô (Companhia do Metropolitano de São Paulo).

O documento integra um conjunto de estudos, publicados semanalmente pelo CEM, que aborda aspectos do planejamento municipal, como o parque imobiliário, a mobilidade, a participação social e o orçamento. Essa sequência de trabalhos visa informar os debates sobre a revisão do Plano Diretor Estratégico em curso, bem como as discussões que serão promovidas pelo Fórum SP 21, que ocorrerá entre 21 e 30 de setembro com o objetivo de analisar o planejamento urbano da cidade de São Paulo. O CEM é um dos apoiadores do evento.

Mais informações sobre o tema estão disponíveis no site do Fórum SP 21. A integra da nota técnica “Priorizar o transporte ativo a pé!” pode ser acessada em: https://centrodametropole.fflch.usp.br/sites/centrodametropole.fflch.usp.br/files/inline-files/09-nota_tecnica_transporte_ativo_pedestre.pdf.

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)