Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Marca Brooksfield Donna é acusada de utilizar mão de obra escrava

Bolivianos costuravam doze horas por dia; em nota, o grupo Via Veneto informou que " seus fornecedores são empresas certificadas"

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 27 dez 2016, 17h05 - Publicado em 20 jun 2016, 15h36

Uma auditoria realizada pelo Ministério do Trabalho e Previdência apontou que a Brooksfield Donna, marca feminina de luxo do grupo Via Veneto, utilizava mão de obra escrava em uma de suas fábricas de roupas, localizada na Zona Leste de São Paulo. As informações foram antecipadas pela ONG Repórter Brasil.

Segunda a auditoria, uma das funcionárias é filha do dono da fábrica, Felix Gonzalo. A menina tem 14 anos. No entendimento dos auditores, costura é uma das atividades para a qual é proibida a contratação de pessoas menores de 18 anos. De acordo com o texto, trabalhar com objetos perfurantes, como máquina de costura, “está entre as piores formas de trabalho infantil”. Os fiscais encontraram no local mais duas crianças.

+ Edson Celulari publica foto careca

Na casa onde funciona a fábrica, os auditores flagraram cinco bolivianos que costuravam ao menos doze horas por dia, sete dias por semana, e moravam dentro do local de trabalho. O imóvel não conta com extintores e tem rede elétrica improvisada. A auditoria alertou ainda para riscos de incêndio já que o chão estava forrado de tecidos. 

Ainda segundo o texto do Ministério do Trabalho, “as condições de segurança e saúde eram inexistentes, tanto nos locais de trabalho, como nos locais de moradia”. O documento diz que a empresa se recusou a pagar os direitos trabalhistas dos cinco funcionários, estimados em 17 800 reais e, por isso, deve ser processada pelo Ministério Público do Trabalho. Na loja, um vestido de seda de estampa geométrica, cujo tecido foi encontrado na fábrica, custa em média 900 reais.

+ Ministério Público Eleitoral investiga jantares de Doria

Em nota, o grupo Via Veneto afirmou que “não terceiriza a prestação de serviços e seus fornecedores são empresas certificadas”. Disse ainda que “a empresa não mantém e nunca manteve relações com trabalhadores eventualmente enquadrados em situação análoga a de escravos pela fiscalização do trabalho e que sempre esteve à disposição dos órgãos públicos para prestar todos os esclarecimentos necessários à correta apuração dos fatos”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês