Clique e assine por apenas 5,90/mês

Ação da Rota termina com dois mortos e um baleado em São Paulo

Operação ocorreu depois que um agente foi executado a tiros na porta de sua própria casa no sábado (4)

Por Redação VEJA São Paulo - 6 Maio 2019, 09h02

Uma ação promovida por policiais do grupo Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) neste domingo (5) terminou com duas pessoas mortas na Zona Norte da capital.

Segundo o G1, as vítimas foram baleadas durante uma troca de tiros com agentes da polícia na Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, por volta das 19h30. Eram, ainda de acordo com a reportagem, dois homens. Procurada, a Secretaria de Segurança Pública informou que ainda estava apurando as informações sobre o caso.

No veículo, a polícia teria encontrado uma pistola calibre 9 milímetros, uma pistola calibre 45, um fuzil e uma carabina calibre 12.

Outro caso ocorreu por volta das 20h, na Zona Sul da cidade. Um homem teria sido baleado por policiais da Rota na Rua Carlos Facchina, no bairro de Americanópolis. A vítima não morreu.

A operação da Rota ocorreu depois que o policial Fernando Flávio Flores, de 38 anos, foi executado a tiros na porta de sua casa. O corpo de Flores foi enterrado neste domingo (5) no Cemitério Campo Grande, na Zona Sul. Ele estava há 14 anos prestando serviços para a Rota.

O G1 informou que uma investigação da Polícia Civil apontava que Flores recebia ameaçadas há seis meses. As suspeitas são de que a morte do militar tenha relação com uma ação da PM em Guararema, na grande São Paulo, que terminou com 11 pessoas mortas.

Continua após a publicidade
Publicidade