Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

85% das águas do rio Pinheiros já têm mais oxigênio, diz Doria

Governador também afirma que poluição foi reduzida; já foram removidas mais de 62 753 toneladas de lixo

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 24 mar 2022, 18h34 - Publicado em 24 mar 2022, 18h33

Dados apresentados nesta quinta-feira (24) pelo governo estadual indicam que 85% das águas do rio Pinheiros têm mais oxigênio e menos poluição. Esses foram os principais resultados de monitoramento feito em 13 pontos ao longo do rio e divulgados pelo governador João Doria (PSDB).

+Depois dos aplicativos, agora é a vez dos táxis ficarem mais caros

Dos 13 pontos, 11 estão com o chamado DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio) abaixo de 30 miligramas por litro, quantidade mínima para que a água não tenha odor, melhore a turbidez e permita vida aquática.

Reportagem publicada pela Vejinha em abril de 2021 mostrou que, historicamente, o índice ficava próximo de 70 em toda a extensão. O objetivo é o de que todo o rio fique baixo de 30 miligramas por litro. Se a meta for atingida, a mudança para toda a capital será significativa, segundo mostrou a reportagem.

Cálculos do governo estadual indicam que estão sendo investidos R$ 4 bilhões na recuperação e despoluição do rio Pinheiros. Foram instaladas 550 mil novas ligações de água e esgoto pela Sabesp.

+Chuvas do último verão mataram 50 pessoas no estado de São Paulo

“Não bastava recuperar, despoluir e apresentar um rio que, nos últimos 70 anos, foi uma referência negativa para a população de São Paulo, mas também o embelezamento das suas marginais com os dois parques lineares que estão sendo implantados”, disse Doria, em nota enviada por sua assessoria de imprensa.

Continua após a publicidade

O balanço apresentado nesta quinta-feira contabiliza ainda que foram removidas 62 753 toneladas de lixo das águas do rio. Entre os materiais jogados estão garrafas pet, bicicletas, pneus e plásticos.

Usina São Paulo

Durante a visita, Doria ainda anunciou o início das obras de revitalização de uma área de 30 mil metros quadrados nas margens do rio Pinheiros, denominada Usina São Paulo. Trata-se de um megaprojeto que mescla a revitalização da usina elevatória de São Paulo (anteriormente chamada de Traição), com vários empreendimentos imobiliários.

+“Não foi fácil”, diz sócio da Livraria da Vila sobre venda do imóvel, que será demolido

Serão implantados restaurantes, lojas, cinema ao ar livre –com direito a maior tela da América Latina–, escritórios, rooftop com cafés e restaurantes, mirante com vista 360º, academia e outras instalações.

O investimento previsto é de R$ 1 bilhão.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês