Dirceu Alves Jr.

Na Plateia

Tudo sobre teatro

“Insones”, de Victor Nóvoa, e a angústia contemporânea

A peça, dirigida por Kiko Marques, descreve o cotidiano apático de quatro personagens reunidos em uma virada de ano

Cabe também ao teatro registrar a situação social, política e psicológica vivida no país. Só por alcançar uma bem-sucedida radiografia contemporânea o drama Insones pode ser apontado como uma surpresa da temporada. Escrita por Victor Nóvoa, a peça, dirigida por Kiko Marques, usa uma angustiante metáfora para descrever o cotidiano apático de quatro personagens.

+ “Odisseia”: viagem turbulenta.

Um grupo de amigos, que atravessa 365 dias sem pregar olho em uma noite de descanso, se reúne para celebrar a virada do ano. Um deles (interpretado por Paulo Arcuri) é o típico conectado em tempo integral, atento aos apelos tecnológicos e às novidades da mídia. O outro (papel de Vinícius Meloni) não se livra de uma insistente dor de cabeça, atormentado pela violência presenciada na sua rotina e pelo pouco-caso dos que estão por perto.

Uma das mulheres (a atriz Fernanda Raquel) beira a alucinação, imaginando uma sombra no ambiente preparado para a festa. Por fim, a personagem de Helena Cardoso tenta incansavelmente acalmar os ânimos dos companheiros, erguendo sem sucesso os brindes e pregando um respiro de diversão nunca alcançado.

+ “Quero Morrer com Meu Próprio Veneno”: Ofélia toma as rédeas da vida 

A direção segura de Marques garante a harmonia entre os intérpretes, mesmo que Arcuri e Meloni alcancem momentos de maior intensidade. Outro mérito é que, mesmo nas passagens mais absurdas, não fica estabelecida uma barreira capaz de separar o espectador da ação transcorrida no palco.

+ Vênus Ex Libris: sexo e poder.

Uma pulsante trilha sonora de pegada eletrônica, criada por Carlos Zimbher, pontua integralmente a montagem, aumentando o ritmo nervoso das situações. Em uma das cenas mais impactantes, a violência é banalizada entre o grupo, ganhando contornos próximos ao de uma relação sexual, e o teatro se consuma como espelho da barbárie (60min). 14 anos. Estreou em 21/6/2018.

+ Auditório do Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195, Pinheiros. Quinta a sábado, 20h30. R$ 25,00. Até 21 de julho.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s