Um quindim delícia por menos de 2 reais a unidade

Discreta loja em Pinheiros decida-se à produção do doce há quase três décadas

Quem passa de carro ou desatento diante do número 1040 da rua Cônego Eugênio de Leite, em Pinheiros, dificilmente percebe que ali funciona uma fantástica fábrica de quindim, o doce preferido do poeta Mario Quintana (1906-1994). A única evidência do estabelecimento está no toldo amarelo, antiguinho, onde se lê Alice Quindins. Depois de cruzar o portão de ferro e percorrer o longo corredor, chega-se a uma recepção e, a partir dela, enfim, dá para avisar a cozinha de doçura ímpar. Ali seis colaboradores produzem a cada mês milhares de quindins. Feitos de gema com açúcar batidos e assados sobre uma crocante base de coco, os doces-estrela da marca são delicados, brilhosos e de sabor levinho. A tentação de levar vários deles para casa aumenta quando se percebe que o preço é bem atrativo.

O quindim míni, de 20 gramas, daqueles perfeitos para se comer em um bocado (e que pesa menos na culpa dos que vivem em dieta) sai a 1,63 reais a unidade na caixinha com 24 deles, que custa 39 reais. O doce no tamanho tradicional, com 50 gramas, é vendido por 5 reais. Mas quase ninguém compra um só, afinal, o preço unitário cai para 4,16 na embalagem com seis unidades, que custa 25 reais, e para 3,25 na caixinha com doze deles e vendida a 39 reais.

Para efeitos de comparação, a Casa Mathilde vende sua versão do doce a 8,50 reais e nas lojas da B.Lem Portuguese Bakery o quitute de 80 gramas sai a 11,40 reais. Na Zona Norte, a guloseima com 40 gramas da Maria Cristina Doces custa 7 reais. Outro quindim querido na cidade é o da Casa Santa Luzia: ele vem de Pelotas, cidade do Rio Grande do Sul que ficou famosa por sua produção de doces e custa 7,50 reais.

A tabela de preços fixada na parede: em quantidade, os valores caem

A tabela de preços fixada na parede: em quantidade, os valores caem (Reprodução/Veja SP)

Sobre a loja – A dona Alice que dá nome ao negócio deu início à produção de quindins nos anos 80 e é tia da atual proprietária, Marli Candida Lino Chaguri. Nos anos 2000, Marli e o marido decidiram incorporar à produção outros docinhos de festa, a exemplo de brigadeiro, beijinho e camafeu. Os doces são produzidos diariamente e quase sempre há opções a pronta entrega. Ainda assim, é bom ligar antes e reservar.

 Alice Quindins Rua Cônego Eugênio Leite, 1040, Pinheiros. Telefone: 3813 1213. 8h/18h (fecha sáb. e dom.). 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s