Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 28 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

O fim de um ótimo restaurante de cozinha autoral

Tête à Tête, do chef Gabriel Matteuzzi, fecha as portas definitivamente

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 3 abr 2018, 19h51 - Publicado em 3 abr 2018, 17h51

Quando parou para as férias coletivas em 31 de dezembro, o Tête à Tête continuava entre os melhores restaurantes de São Paulo, terceiro colocado entre os representantes de cozinha de autor na cidade, superado apenas pelo D.O.M. e pelo Maní, dois gigantes. Não se sabia, porém, que lhe faltava vigor financeiro. O número de clientes não era suficiente.

Como não reabriu, mantive frequentes conversas com chef e sócio Gabriel Matteuzzi sobre a volta do restaurante. Nesse período, ele tentou encontrar um sócio-investidor para tocar o Tête à Tête. “Infelizmente, a possível entrada do novo investidor não se concretizou”, lamentou-se o cozinheiro na conversa que tivemos hoje por telefone. “Não tinha mais como protelar.”

Uma pena. Saem de cena, além de ótimos menus degustação, criações como o bombom de foie gras com cassis, a bochecha bovina ao vinagrete com cebola, azedinha e pimenta-biquinho, o peixe do dia na brasa com emulsão de batata-doce-roxa, vinagrete de banana-da-terra e folhas de dente-de-leão.

Uma das receitas de Matteuzzi: bombom de foie gras com cassis Ligia Skowronski/Veja SP

Não é, entretanto, a primeira vez que o Tête à Tête sucumbe. Em 2008 e com apenas 32 anos, Matteuzzi montou o restaurante original na Rua Bahia, 480, em Higienópolis.

A partir de técnicas francesa e espanhola, ele elaborava o camarão na minimoranga ao molho de leite de coco coberta por emulsão de azeite ao coentro, de sotaque brasileiro, e a costeleta de cordeiro assada com chutney de tomate, cebolinha sautée e berinjela confit, de jeitão moderno.

Embora não faltassem predicados aos pratos de seu menu, pouco mais de um ano. Nesta temporada nos Jardins, resistiu por quase três.

Obrigado pela visita. Aproveite para deixar seu comentário, sempre bem-vindo, e curtir a minha página no Facebook. Também é possível receber as novidades pelo Twitter e seguir minhas postagens no Instagram.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade