Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Gastronomia Descolada: um papo com Gislaine Gallette

A confeiteira conta como produz as delícias da Gallette Chocolates, que incluem um achado: o bombom recheado de ganache e de geleia de jabuticaba

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 18 Maio 2021, 19h39 - Publicado em 29 jan 2021, 06h08
Gastronomia Descolada - Gislaine Gallette
Arquivo Pessoal/Clayton Vieira/Veja SP

Formada em engenharia elétrica pela Unesp, Gislaine Gallette tem uma carreira errática. Depois de calcular cargas de eletricidade, migrou para planejamento de call center da Editora Abril, que publica VEJA SÃO PAULO, mas por um curto período. Por último, trabalhou na área financeira de um grande banco por pelo menos uma década. Como executiva, conseguiu fazer um pé de meia, se planejar e mudar de carreira mais uma vez. “Sempre fui muito apaixonada por chocolate”, derrete-se. Assim, sete anos atrás surgiu a Gallette Chococolates, em Santana, onde é possível se deliciar com um verdadeiro achado: o bombom recheado de ganache e geleia de jabuticaba.

Na Gallette, Gislaine domina toda a produção. “Compramos o cacau da Bahia que a gente mesmo processa”, explica como mantém o controle de qualidade. Nem sempre foi assim. Quando abriu o duo de loja e fábrica, comprava matéria-prima importada. O grande avanço foi quando passou a dominar o processo conhecido em inglês como bean to bar, algo como da castanha à barra.

Bombons de jabuticaba da Gallette Chocolates
Bombons recheados de ganache e de geleia de jabuticaba: pintados a mão Clayton Vieira/Veja SP

“Acabei me encontrando no mundo do chocolate por causa da engenharia”, revela. E se explica. A confeitaria necessita de precisão e rigor. “Foi um caminho natural por causa das exatas. É um segmento da gastronomia com um perfil de profissional atento a precisão. Temos uma preocupação maior com os pontos, a temperatura, a química.”

Além de bombons artesanais, muitos deles pintados a mão, caso dos de jabuticaba, há itens como barras de chocolate que privilegiam ingredientes nacionais como cupuaçu e castanha de baru, além de um delicioso pé de moleque de macadâmia. “Gosto de criar”, resume.

Para ouvir, é só dar o play:

Assine a Vejinha a partir de 6,90 mensais

Valeu pela visita! Para me seguir nas redes sociais, é só clicar em:
Facebook: Arnaldo Lorençato

Instagram: @alorencato
Twitter: @alorencato

Para enviar um email, escreva para arnaldo.lorencato@abril.com.br

Caderno de receitas:
+ Fettuccine alfredo como se faz em Roma

  • Continua após a publicidade
    Publicidade