Clique e assine com até 89% de desconto
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 28 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Cozinha do Lorençato convida Marie France Henry

A dona do La Casserole, fechado no momento por conta da pandemia, organiza ação social para distribuir 6 600 marmitas e comemorar os 66 anos do bistrô

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 21 Maio 2020, 12h12 - Publicado em 15 Maio 2020, 12h30

Foram #49 encontros até agora no Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia. O papo, desta vez, é com a restautrice Marie France Henry, dona do charmoso La Casserole, no Largo do Arouche. É também um dos restaurantes franceses mais antigos da cidade, que completa 66 anos neste mês e com uma característica especial: sempre pertenceu à mesma família e ocupa o mesmo endereço, no centro, desde a inauguração em 6 de maio de 1954.

A celebração da data neste ano de pandemia será de uma maneira diferente na casa comanda por Marie e o filho Leo, que desde 20 de março permanece fechada e não introduziu o delivery. “Tínhamos vários planos para o aniversário. Com o fechamento, decidimos fazer a doação de 6 660 marmitas por meio de uma vaquinha virtual”, conta a dona. Quem quiser fazer colaborar com mais esse projeto tão importante de ajuda a pessoas em situação de vulnerabilidade, pode acessar lacasserole.com.br/aniversario (leia mais sobre o projeto clicando aqui).

Com a dona do restaurante: “queremos chegar ao mercado de flores” Arnaldo Lorençato/Veja SP

Para o tão sonhado retorno, Marie adianta que, com a reforma do Largo do Arouche, ganhou uma área maior de calçada. “As mesas ao ar livre que o Casserole terá quando reabrir serão muito importantes na retomada do restaurante. Meu sonho era que estivessem dentro do mercado das flores, do outro lado da rua”, diz.

Marie também relembra os pais, fundadores da casa, e as dificuldades que teve ao assumir a direção do restaurante em 1987. “Eu tinha medo de mexer no cardápio. Durante quarenta anos, não havia uma salada. Mas, de medo em medo, fomos caminhando e hoje colocamos até pratos vegetarianos”, revela. Traz ainda na memória as dificuldades que os pais tinham para encontrar ingredientes no Brasil do passado. “Não havia matérias-primas no Brasil. Eu me lembro que os meus pais traziam da França toneladas de erva finas secas para o Casserole”, diverte-se.

Para ouvir esse papo repleto de boas histórias dá o play no YouTube, no Spotify, no Deezer ou aqui:

Assine a Vejinha a partir de 6,90 mensais

Valeu pela visita! Para me seguir nas redes sociais, é só clicar em:
Facebook: Arnaldo Lorençato
Instagram: @alorencato
Twitter: @alorencato
Para enviar um email, escreva para arnaldo.lorencato@abril.com.br

Caderno de receitas:
+ Fettuccine alfredo como se faz em Roma

  • Continua após a publicidade
    Publicidade