Para aquecer

Chocolate quente é boa pedida para uma pausa

Saiba onde provar receitas incrementadas da bebida, uma das mais pedidas durante o inverno

Por: Sophia Braun e Victória Kennedy - Atualizado em

Lavazza Espression - chocolate quente
Lavazza Espression: chocolate quente italiano com laranja (R$ 7,20) (Foto: Divulgação)

Com o início do inverno, em 21 de junho, quitutes, bebidas e pratos reconfortantes entram em cena para acalentar o frio. Entre as bebidas, com o perdão do cafezinho, o chocolate quente ganha destaque na preferência dos paulistanos.

+ Os melhores pães de queijo da cidade

Os melhores endereços gastronômicos e dicas de passeios e hospedagem em Campos do Jordão 

Confira abaixo treze endereços para provar boas versões dessa popular mistura:

Ale Tedesco Bakery Shop: para tomar nas mesinhas charmosas da casa, as versões com marshmallow ou caramelo são servidas em uma taça média (150 mililitros), por R$ 6,50. Quem não conseguir escolher só um adicional, pode pedir os dois juntos, por mais trinta centavos (R$ 6,80). O tradicional tem o mesmo tamanho e custa R$ 6,00.

Brigadeiro Dicunhada: a especialidade está no nome, mas a casa localizada no Tatuapé também oferece duas versões interessantes de chocolate quente. O tradicional é servido em uma xícara especial, lambuzada por chocolate belga no fundo (R$ 7,00). A outra opção tem na mistura uma pequena dose de licor, para esquentar ainda mais (R$ 10,00). 

Cacau Show: presente em cada cantinho da cidade, a franquia tem duas versões da pedida. A cremosa pode ser tomada com colher (R$ 3,00 a pequena; R$ 4,50 a grande) e a tradicional custa  R$ 2,50 e R$ 4,00.

Chocolat du Jour: aqui a sugestão é conhecida pelo nome francês choco chaud (R$ 13,50). Uma colherzinha de chocolate acompanha a xícara. Apenas as unidades dos Jardins e do Shopping Cidade Jardim possuem serviço de café. Quem desejar, pode comprar a mistura e preparar em casa. O kit com oito porções sai por R$ 96,00. 

Condimento: tem a versão belga, feita a partir de chocolate meio amargo e ao leite (R$ 10,00), e a cremosa, que leva o nome da casa e traz canela na mistura (R$ 9,00). 

Chocolat du Jour - chocolate quente
Chocolat du Jour: choco chaud com colher de chocolate (Foto: Felipe Gombossy)

Havanna Café: a rede argentina, famosa pelos alfajores, possui o submarino (R$ 9,00): chocolate quente cremoso acompanhado de uma barrinha de chocolate, que pode ser usada como colher para mexer a bebida. 

Il Barista Cafés Especiais: uma das opções quentinhas é a taça de chocolate meio amargo e leite vaporizado, finalizada com uma flor de chantili e raspas de mais chocolate (R$ 9,50). A versão cremosa sai por R$ 8,00.

Kopenhagen: tem duas opções para aquecer seu dia. A primeira é o chococcino, servido fumegante e com pedacinhos de chocolate ao leite da casa derretendo lá dentro (R$ 12,60). Outra boa ideia, é a versão nhá benta, que vem com o bombom recheado de marshmallow mergulhado na bebida e um segundo embrulhado, para comer depois (R$ 16,20).

Lavazza Espression: oferece uma versão italiana cremosa (R$ 6,90), que pode levar laranja na composição (R$ 7,20).

Le Vin Patisserie: a pâtisserie do bistrô francês Le Vin serve café da manhã e chá da tarde. Entre tortinhas, musses e macarons, é possível experimentar a bebida com espuma de leite e raspas de chocolate (R$ 6,80).

Octavio Café: um dos melhores cafés da cidade, oferece também oferece uma receita tradicional da bebida quente que custa R$ 10,97 (180 mililitros) e vem com chantili no topo.

Santo Grão: o variado cardápio apresenta receitas incrementadas o ano inteiro. Uma das sugestões é o drinque quente à base de chocolate belga derretido no leite com Cointreau e raspas de laranja (R$ 10,10). 

Suplicy: o chocolete quente tradicional é feito com leite vaporizado e calda de chocolate no topo (R$ 5,80 pequeno; R$ 8,70 médio; R$ 10,00 grande).

Fonte: VEJA SÃO PAULO