Música

Dicas para quem vai aos Rollings Stones neste sábado (27)

Vai ao show? Prepare-se com previsão do tempo, comidinhas e transportes

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

A gente sempre torce para grandes shows chegarem por aqui, porém, quando eles acontecem, os perrengues são inevitáveis. Filas, ambulantes, trânsito, grana, chuva... Mas sempre acaba valendo a pena. Não foi diferente na quarta-feira (24), com os Rolling Stones, que repetirão a dose neste sábado (27). Por isso, fique por dentro de algumas dicas para minimizar os pequenos estresses e aproveitar melhor o programa.

+ O que Mick Jagger, Keith Richards, Ron Wood e Charlie Watt vão comer no camarim

+ O que rolou no primeiro dia do show dos Rolling Stones em São Paulo

Temperatura

A previsão meteorológica para sábado é de chuvas, assim como foi na quarta (24). De acordo com o Clima Tempo, as pancadas podem acontecer já no período da tarde e continuarão à noite. Eles alertam também para possíveis alagamentos que podem dificultar a chegada ao estádio. 

- Guarda-chuvas são proibidos, por isso, invista numa boa capa de chuva. Para quem esquecer a capa, ambulantes costumam vende-las na porta por cinco reais (mas ela não serão tão eficientes para uma chuva mais forte).

Trânsito

A região já sofre com a quantidade de carros, imagina ainda com os fãs chegando por lá também. Por isso, dê preferência ao transporte público – ou táxis e ubers.

Para quem for de taxi ou Uber, a dica é descer na Avenida Francisco Morato com a Avenida Jorge J. Saad. A caminhada até o estádio não é longa e ainda evita entrar no caos da avenida.

Ir de carro quase nunca é opção: estacionamentos irregulares chegam a cobrar até cem reais por uma vaga. Sem contar os inúmeros flanelinhas que abordam os motoristas insistentemente. Caso queira arriscar, procure rotas alternativas, como subir a Avenida Morumbi (perto do Palácio do Governo) e descer a Avenida Albert Einstein. Esta região costuma estar esquecida pelo público. Fuja da Avenida Giovanni Gronchi: parte dela fica cheia de pedestres caminhando pelas faixas.

O retorno é normalmente o mais caótico. Porém, na quarta-feira (24), não houve tantos perrengues. Ubers e taxistas estavam em clima de paz. Na Avenida Giovanni Gronchi, era possível encontrar uma fila dos motoristas do aplicativo atendendo os fãs.

Do outro lado, em frente ao Shopping Butantã, os taxistas atendiam sem querer cobrar preço fixo (o que, vale reforçar, é proibido). Deles, recusavam-se apenas a fazer caminhos curtos (o que também é proibido). É preciso caminhar até lá: a CET interdita parte a Avenida Jorge J. Saad.

A SPTrans também colocou a disposição uma linha extra para atender o público para o término do show: Morumbi – Pç. Ramos; Jd. Jaqueline – Santo Amaro; Jd. Paulo IV – Santo Amaro.

+ Fique por dentro das últimas notícias da cidade

Pontualidade britânica

Os Titãs entraram cedo (19 horas) no palco e no sábado não deve ser diferente. O show durou menos de uma hora, por isso, se quiser vê-los, programe-se para chegar cedo. Os Rolling Stones entraram no palco às 21h15, com apenas 15 minutos de atraso.

Sem fome

Pela Avenida Jorge J. Saad, a gente encontra um cardápio variado (assim como os preços dos produtos). Tem hambúrgueres, cachorro-quente, churrasquinhos entre outras opções para forrar o estômago. E há a disputa entre os ambulantes e os estabelecimentos. Em um dos postos de gasolina da região, encontramos também restaurantes de fast-food.

Quanto o assunto é bebida, a cotação da cerveja sobe de acordo com a proximidade do palco. Lá na Avenida Francisco Morato, a long neck de Heineken custava 5 reais na quarta-feira. Quando estava mais próximo, o seu preço subia para 10 reais. As latinhas de Skol podiam ser negociadas na boca do estádio a 4 reais. Ter dinheiro em mãos facilita, mas a maioria dos ambulantes já aceitam cartões de débito.

Lá dentro: compre as fichas antes. Eles aceitam cartões de crédito e débito, mas leve dinheiro -- há vendedores circulando pelas pistas e bares mais próximos que só aceitam as cédulas.

Para comer, o hambúrguer angus (o mais gourmet) vale 16 reais. É uma boa pedida. Ainda tem pastel, cachorro-quente e temaki como opções (12 reais cada um).

A cerveja (Budweiser) custa 10 reais a latinha, mas a bebida é despejada e servida no copo de plástico. Pegue leve para não precisar ir tanto ao banheiro. Dependendo do local, as filas dos sanitários podem demorar até 20 minutos (parte considerável de um grande espetáculo).

Itens proibidos

Pau de selfie, guarda-chuva, fogos de artifícios, capacetes, objetos cortantes, garrafas, vasilhames, produtos inflamáveis, armas de fogo e brancas, máquinas fotográficas profissionais.

Fonte: VEJA SÃO PAULO