Guia

Viagem sem estresse

Dez problemas mais comuns nos passeios internacionais e como evitá-los

Por: Anna Carolina Oliveira - Atualizado em

Mala cheia
Mala cheia: cuidado com o excesso de bagagem na volta para casa (Foto: Thinkstock)

Atraso no voo, bagagem extraviada e erro na reserva do hotel são só alguns dos muitos problemas que podem atrapalhar uma viagem ao exterior. Para evitar as dores de cabeça e não perder o merecido descanso na solução de imprevistos, confira dez coisas que podem arruinar um passeio e como evitá-las.

+ Guia de viagem: dicas e alertas para passear no exterior

+ Xaveco Virtual: nossa ferramenta de paquera no Twitter

1. Filas e mais filas

Nos períodos de férias escolares e feriado, as filas nos aeroportos podem ser quilométricas. E não pense que, para contornar o problema, basta chegar uma hora antes do voo e realizar o check-in. Como essa é só a primeira de muitas filas até o portão de embarque, no final, você pode perder o avião.

Solução: No caso de voos internacionais, chegue, no mínimo, três horas antes. Assim, no caso de problemas com a documentação, haverá tempo de resolver o assunto.

Família no Aeroporto - Guia Viagem
Autorização: se a criança for viajar com apenas um dos pais, precisa do documento (Foto: Thinkstock)

2. Crianças sem autorização

O marido não conseguiu alguns dias de folga e, por isso, você irá viajar sozinha com seu filho, que é menor de idade. Passaporte em mãos, visto em dia, pacote de viagem fechado e... na hora do check-in, sua criança não é liberada para viajar. O motivo é simples: nenhum menor sai do país sem a autorização dos dois responsáveis.

Solução: Todo menor de 18 anos que viaja sozinho ou com a presença de somente um pai precisa apresentar duas vias da autorização com firma reconhecida. Atenção para uma mudança na lei: se antes pai e mãe precisavam comparecer ao cartório, agora o reconhecimento em firma poderá ser por semelhança, ou seja, alguém pode levar as assinaturas para serem conferidas.

3. Atraso no voo

Você já está na sala de embarque quando, de repente, é informado de que o voo sofreu atraso. Ou pior: foi cancelado. O que fazer?

Solução: A companhia aérea é obrigada a acomodar o passageiro em outro voo, da própria empresa ou de outra. Isso deve ser feito dentro de um prazo de quatro horas contadas a partir do horário do voo cancelado. Se o passageiro aceitar viajar no outro dia, a prestadora de serviço também terá que arcar com as despesas do hotel, telefonemas, refeições e transporte da pessoa

4. Conexão perdida

O próximo avião decola no horário previsto, mas o intervalo entre os voos não foi suficiente para embarcar na outra aeronave. Resultado: você não decolou.

Solução: Como, às vezes, uma hora é pouco tempo para retirar a mala, passar pela fila de imigração e cumprir todas as etapas de uma conexão, o ideal é trocar de voos com um espaço de tempo acima de duas horas.

Bagagem extraviada - Guia de viagem
Sumiu: se suas malas não chegaram, procure a companhia aérea imediatamente (Foto: Thinkstock)

5. Onde está a bagagem?

Todo mundo conhece alguém que chegou ao seu destino e não encontrou as malas na esteira do aeroporto. Se suas bolsas extraviaram, calma. Nem tudo está perdido.

Solução: A primeira recomendação é sempre ter uma muda de roupa na mala de mão. Para recuperar os itens perdidos, vá ao balcão da companhia aérea, ali mesmo na área de desembarque. Lá, faça um report. Se a empresa levar mais de três dias para entregar as malas para o passageiro, existe outro procedimento. Guarde todos os recibos de gastos com roupas básicas e produtos de higiene. Quando voltar ao Brasil, entre em contato com a companhia e peça o reembolso.

+ Evite fazer parte do extenso grupo de brasileiros barrados no exterior

6. Hotel cheio

A reserva foi feita e, aparentemente, seu lugar no hotel estava garantido. O problema é que seu nome não consta no sistema do estabelecimento.

Solução: O turista deve ter todos os documentos que comprovem a reserva em mãos. Ao apresentar a papelada, o hotel será obrigado a resolver a situação. Nesse caso, ou você será acomodado no próprio local ou, se tiver overbooking, será transferido para um hotel do mesmo nível.

7. Cartão bloqueado

Tão importante quanto avisar os familiares sobre a sua viagem é informar o seu banco sobre o passeio. Isso porque, na empolgação das compras no exterior, você pode ultrapassar seu limite e o cartão ser bloqueado. Pior do que isso, pode haver o bloqueio no primeiro dia de compras por medidas de segurança.

Solução: Além de comunicar o banco sobre a viagem, leve dinheiro em espécie. O limite para brasileiros é de 10 mil dólares.

8. O passaporte sumiu

Você saiu do Brasil com passaporte e entrou em outro país com ele. O problema é que, em um dos passeios turísticos, o documento simplesmente desapareceu. E agora, como fazer a viagem de volta?

Solução: Deixe o original sempre dentro da mala ou de um cofre e circule com a cópia do documento na carteira. Se isso não aconteceu, resta ir ao Consulado e pagar — bem caro — por um novo passaporte.

Seguro saúde - Guia de viagem
Para quem não tem seguro: uma visita ao hospital em outro país pode sair bem cara (Foto: Thinkstock)

9. Dor de barriga cara

Você tem uma indisposição no meio da viagem e precisa ir ao hospital. Resultado: uma conta bem salgada no momento da alta.

Solução: Contrate um seguro médico ou de viagem, com cobertura para medicamentos, internações e tratamentos médicos. Custa em torno de 60 dólares.

+ Atualize a carteira de vacinação antes de viajar

10. Excesso de peso

No check-in, a balança indica que as malas ultrapassaram os quilos permitidos. Para embarcá-las, só com o pagamento de taxas que pesam bastante no bolso.

Solução: Informe-se sobre o limite de bagagem de cada país — a maioria é de 32 quilos por mala. Outra medida é, antes do check-in, pesar suas bolsas. Se o volume ultrapassar o permitido, tente redistribuir o peso entre todas malas.

Fontes: Rosiane Rockenbach, coordenadora geral de Serviços Turísticos do Ministério do Turismo; Jarbas Correa Junior, diretor comercial da Agaxtur Turismo; Andreza Rodrigues, assessora de Comunicação Interna da CVC; Aline Freitas, gerente de operações MK Travel; Alípio Camanzano, CEO Brasil da Decolar.com; Luiza Vianna, gerente de cursos da CI; e Gabriel Canellas, gerente de produtos Intercâmbio Teen da CI.

Fonte: VEJA SÃO PAULO