Confusão

Casal homossexual acusa garçom de agressão na Rua Augusta

O funcionário, porém, alegou na delegacia que foi atacado; o caso aconteceu em um restaurante da Rede Sukiya

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

Um casal homossexual afirma ter sido agredido por um garçom da unidade da Rede Sukiya na Rua Augusta, perto do Metrô Consolação. Um dos rapazes está com hematomas no rosto. Na delegacia, porém, o funcionário alegou ter sido atacado. Ele foi afastado pelo estabelecimento até o fim das investigações. O caso aconteceu na madrugada de domingo (3).

+ Pai capota carro e menino de 2 anos sai andando sozinho pela estrada

Gabriel Cruz, de 23 anos, explica que chegou com o namorado Jonathan Favari, de 24 anos, no restaurante por volta das 4h, após sair de um bar na região. Ele diz que o garçom e um segurança o abordaram assim que Favari foi ao banheiro. “Ele falou que não tinha nada contra, mas que uma família que estava perto tinha reclamado de um beijo. Depois, ainda pediu desculpa pelo inconveniente.”

+ Manifestantes presos há 43 dias não tinham explosivos, diz perícia

Cruz afirma que contou o caso para o namorado e foi falar com a família, que negou ter reclamado. Com isso, os dois se beijaram novamente. Foi quando, segundo Cruz, o garçom tentou expulsar eles do local. “Ele segurou meu braço e eu puxei para soltar”.

Ainda de acordo com Cruz, foi nesse momento que o funcionário agrediu Favari com socos. “Ele está com o olho roxo. O nariz também sangrou.” Na delegacia, o garçom alegou que foi agredido inicialmente pelo casal.

“Estamos juntos há 8 meses. Nunca tínhamos passado por algo assim. Fiquei muito assustado, foi algo inusitado”, afirma Cruz.

+ Confira o que acontece na cidade

Em nota, a Rede Sukiya informa que os fatos estão sendo apurados, afirmando ainda que o funcionário foi afastado até a conclusão da investigação. “Informamos que a orientação dada aos nossos colaboradores é sempre atender com respeito e tolerância, sem qualquer tipo de discriminação.” O caso foi registrado no 78º Distrito Policial.

Fonte: VEJA SÃO PAULO