Varanda (Desde 1996)

Tipos de Restaurantes: Carnes
VejaSP
starsstarsstarsstarsstars
Endereço: Rua General Mena Barreto, 793 - Itaim Bibi - São Paulo - SP ver no mapa
Telefone: (11) 38878870
Horário:
segunda-feira
12:00 - 15:00 - 19:00 - 23:00
terça-feira
12:00 - 15:00 - 19:00 - 23:00
quarta-feira
12:00 - 15:00 - 19:00 - 23:00
quinta-feira
12:00 - 15:00 - 19:00 - 23:00
sexta-feira
12:00 - 15:30 - 19:00 - 23:00
sábado
12:00 - 18:00 - 19:00 - 00:00
domingo
12:00 - 17:30
Nos feriados funciona das 12h às 18h e das 19h à 0h.
monetization_on

Faixa de preço

De R$151,00 a R$250,00

payment

Formas de pagamento

Cartões de crédito: Visa, Mastercard, Diners e American Express
Cartões de débito: Visa Electron, Rede Shop e Maestro

check_circle

Informações adicionais

Estacionamento/Valet (R$ 22,00), Acesso para deficientes, Lugares/Capacidade total (205), Comida (couvert) (R$ 25,00), Levar vinhos (permite) (R$ 60,00)

Resenha por Arnaldo Lorençato, Helena Galante e Saulo Yassuda

Dividido entre a matriz, no Itaim, e a unidade do Shopping JK, o restaurateur Sylvio Lazzarini transita pelas duas casas para que a grelha continue entre as melhores da cidade. Sugestões sem erro: o ribeye (R$ 106,00), maneira como os americanos chamam o contrafilé, e o vacío, designação dada à fraldinha (R$ 96,00) na Argentina.

Preços checados em setembro de 2017.

    Comer e beber

    • 2017 - Indicado

      Melhor Carne Comer & Beber .

      Dividido entre a matriz, no Itaim, e a unidade do Shopping JK, o restaurateur Sylvio Lazzarini transita pelas duas casas para que a grelha continue entre as melhores da cidade. Sugestões sem erro: o ribeye (R$ 106,00), maneira como os americanos chamam o contrafilé, e o vacío, designação dada à fraldinha (R$ 96,00) na Argentina.

      Arnaldo Lorençato, Helena Galante e Saulo Yassuda

    • 2016 - Indicado

      Restaurantes carnes Comer & Beber .

      Das churrascarias da cidade, a de Sylvio Lazzarini é uma das que mais exploram o saboroso (e caríssimo) kobe beef, extraído do gado de origem japonesa wagyu. As sugestões incluem o strip loin (a partir de R$ 185,00), um bifão de 380 gramas acompanhado de legumes ao vapor. Na degustação de R$ 158,00 do jantar, a carne marmorizada aparece como um dos quatro cortes oferecidos em porções menores. (Preços checados em setembro/outubro de 2016).

      Arnaldo Lorençato, Helena Galante e Saulo Yassuda

    • 2015 - Participante

      Restaurantes carnes Comer & Beber .

      As sugestões do cardápio continuam a aguçar o apetite. São exemplos o romeu e julieta (duo de assado de tira e miolo da alcatra; R$ 83,00) e a deliciosa costelinha de porco (R$ 27,00) para ser mergulhada em molho barbecue. No ano passado, o restaurateur Sylvio Lazzarini passou a apresentar um atraente e caro menu degustação preparado sob a orientação de seu filho, Fabio. O que era para ser um mostruário de delícias autorais, porém, não vingou. Foram tantas as derrapadas nos pratos que esse cardápio especial acabou sendo banido. A excelente carta de vinhos traz agora rótulos italianos de importação própria, entre eles o Begali La Cengia Valpolicella Ripasso Classico Superiore 2012 (R$ 140,00), selecionados pelo sommelier Tiago Locatelli. (Preços checados em setembro/outubro de 2015).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2014 - Vencedor

      Votação popular - restaurantes carta de vinhos Comer & Beber .

      Para harmonizar com os cortes que dão nobreza ao cardápio do Varanda, uma das melhores churrascarias da cidade, o competente sommelier Tiago Locatelli montou uma carta de vinhos acessível e bem variada. São 400 rótulos de qualidade, na maioria tintos, vindos de dezoito países. E o melhor: os preços não assustam. “Nossa margem bruta linear é de 40% sobre o valor de custo”, explica Locatelli. Dessa lista, a garrafa mais em conta é a do  uruguaio Don Arturo Tannat 2012, a R$ 39,00, um vinho simples, mas que não faz feio. Por menos de R$ 100,00, são campeões de pedidos o espanhol Señorio de Sarría Crianza 2009 (R$ 75,00) e o chileno Aquitania Cabernet Sauvignon Reserva 2012 (R$ 80,00). Na combinação com alguns pratos de pescados e a degustação criada pelo chef Fabio Lazzarini, filho do  proprietário Sylvio Lazzarini, o sommelier recomenda o nacional Cave  Amadeu Brut Rosé (R$ 63,00) e o chileno Matetic Sauvignon Blanc EQ  Coastal 2013 (R$ 87,00). A carta tem ainda uma página dedicada a oportunidades, com rótulos adquiridos em grande volume. “Negociamos  condições de preço mais favoráveis para repassar esses benefícios ao cliente”, diz Locatelli. Entre os exemplos, está o português Quinta do Valdoeiro Touriga Nacional 2007 (R$ 95,00). Com ofertas tão atraentes, o Varanda vende um total de 2 000 garrafas por mês. (Preços checados em setembro/outubro de 2014).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2014 - Indicado

      Restaurantes sommelier do ano Comer & Beber .

      Para harmonizar com os cortes que dão nobreza ao cardápio do Varanda, uma das melhores churrascarias da cidade, o competente sommelier Tiago Locatelli montou uma carta de vinhos acessível e bem variada. São 400 rótulos de qualidade, na maioria tintos, vindos de dezoito países. E o melhor: os preços não assustam. “Nossa margem bruta linear é de 40% sobre o valor de custo”, explica Locatelli. Dessa lista, a garrafa mais em conta é a do  uruguaio Don Arturo Tannat 2012, a R$ 39,00, um vinho simples, mas que não faz feio. Por menos de R$ 100,00, são campeões de pedidos o espanhol Señorio de Sarría Crianza 2009 (R$ 75,00) e o chileno Aquitania Cabernet Sauvignon Reserva 2012 (R$ 80,00). Na combinação com alguns pratos de pescados e a degustação criada pelo chef Fabio Lazzarini, filho do  proprietário Sylvio Lazzarini, o sommelier recomenda o nacional Cave  Amadeu Brut Rosé (R$ 63,00) e o chileno Matetic Sauvignon Blanc EQ  Coastal 2013 (R$ 87,00). A carta tem ainda uma página dedicada a oportunidades, com rótulos adquiridos em grande volume. “Negociamos  condições de preço mais favoráveis para repassar esses benefícios ao cliente”, diz Locatelli. Entre os exemplos, está o português Quinta do Valdoeiro Touriga Nacional 2007 (R$ 95,00). Com ofertas tão atraentes, o Varanda vende um total de 2 000 garrafas por mês. (Preços checados em setembro/outubro de 2014).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2014 - Vencedor

      Restaurantes carta de vinhos Comer & Beber .

      Para harmonizar com os cortes que dão nobreza ao cardápio do Varanda, uma das melhores churrascarias da cidade, o competente sommelier Tiago Locatelli montou uma carta de vinhos acessível e bem variada. São 400 rótulos de qualidade, na maioria tintos, vindos de dezoito países. E o melhor: os preços não assustam. “Nossa margem bruta linear é de 40% sobre o valor de custo”, explica Locatelli. Dessa lista, a garrafa mais em conta é a do  uruguaio Don Arturo Tannat 2012, a R$ 39,00, um vinho simples, mas que não faz feio. Por menos de R$ 100,00, são campeões de pedidos o espanhol Señorio de Sarría Crianza 2009 (R$ 75,00) e o chileno Aquitania Cabernet Sauvignon Reserva 2012 (R$ 80,00). Na combinação com alguns pratos de pescados e a degustação criada pelo chef Fabio Lazzarini, filho do  proprietário Sylvio Lazzarini, o sommelier recomenda o nacional Cave  Amadeu Brut Rosé (R$ 63,00) e o chileno Matetic Sauvignon Blanc EQ  Coastal 2013 (R$ 87,00). A carta tem ainda uma página dedicada a oportunidades, com rótulos adquiridos em grande volume. “Negociamos  condições de preço mais favoráveis para repassar esses benefícios ao cliente”, diz Locatelli. Entre os exemplos, está o português Quinta do Valdoeiro Touriga Nacional 2007 (R$ 95,00). Com ofertas tão atraentes, o Varanda vende um total de 2 000 garrafas por mês. (Preços checados em setembro/outubro de 2014).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2014 - Indicado

      Restaurantes carnes Comer & Beber .

      Além de oferecer carnes de excepcional qualidade, a churrascaria de Sylvio Lazzarini ganhou um sopro de frescor neste ano. Fabio Lazzarini, filho do proprietário, acaba de lançar um menu degustação no jantar. O jovem de 25 anos, formado em gastronomia na Itália, complementa os grelhados, em vez de competir com eles, com deliciosas guarnições. São duas possibilidades, uma com cinco (R$ 160,00) e a outra com oito pratos (R$ 190,00) em pequenas porções, incluindo a sobremesa. A entrada muda a cada dia, e, se tiver sorte, você encontrará o ceviche de vieira ao molho ponzu com um toque de yuzu, fruta cítrica asiática que raramente é achada fresca no Brasil. Em seguida, vem a picanha suína ao molho barbecue com maçã verde, tomate seco e uma batata suflê. Dos cortes bovinos, atiça ainda mais o apetite o assado de tira manchado por molho chimichurri. O acompanhamento batizado de arroz dos pampas é uma reinterpretação do carreteiro gaúcho com pequi, pimentão verde, cebola, carne de sol e arroz arbóreo. Guardião da carta de vinhos número 1 da cidade, o sommelier Tiago Locatelli cuida da harmonização. Além dos tintos, ela inclui cervejas e até saquê. Quem quiser provar apenas o churrasco tem à disposição variações do contrafilé como o rib-eye (R$ 83,50), celebrizado pelos americanos. (Preços checados em setembro/outubro de 2014).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2013 - Indicado

      Restaurantes carta de vinhos Comer & Beber .

      Os 18.000 clientes que passam por mês pelas duas unidades do Varanda parecem não se importar de gastar, pelo menos, R$ 140,00 por refeição. Com entusiasmado apetite, eles devoram ótimos cortes em estilo brasileiro, argentino e americano, extraídos de rebanhos angus e black angus, além de caríssimos bifões marmorizados da raça japonesa wagyu (o de chorizo pode custar R$ 242,00). Para saciar tanta gente, 8 toneladas de carne saltam da churrasqueira inclinada a cada trinta dias. Até 2003, 75% dos pedidos se concentravam na picanha. “Hoje, nosso cliente quase não se interessa por ela”, diz o proprietário Sylvio Lazzarini. As antigas vedetes da grelha viraram coadjuvantes de saborosos cortes de contrafilé conhecidos por ojo de bife (R$ 75,50), rib-eye (R$ 82,50) e new york steak (R$ 76,50). Lazzarini, um ex-criador de gado que andava insatisfeito com o baixo preço pago pelas arrobas que produzia, pulou a cerca em 1993. Na época, recebeu um convite de um amigo para se associar ao restaurante italiano Macchiavelli. “Respondi que minha especialidade eram as carnes, e não as massas”, conta. Assim surgiu o Varanda. O sucesso foi tamanho que o negócio precisou se expandir, ocupando dois imóveis vizinhos. Numa linha contínua de prosperidade, o empresário levou a bandeira dos cortes nobres ao Shopping JK Iguatemi no ano passado. No novo endereço, já são atendidos 10.000 clientes por mês, 2.000 a mais que na matriz, no Itaim. (Preços checados em setembro/outubro de 2013).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2013 - Vencedor

      Votação popular - restaurantes carnes Comer & Beber .

      Os 18.000 clientes que passam por mês pelas duas unidades do Varanda parecem não se importar de gastar, pelo menos, R$ 140,00 por refeição. Com entusiasmado apetite, eles devoram ótimos cortes em estilo brasileiro, argentino e americano, extraídos de rebanhos angus e black angus, além de caríssimos bifões marmorizados da raça japonesa wagyu (o de chorizo pode custar R$ 242,00). Para saciar tanta gente, 8 toneladas de carne saltam da churrasqueira inclinada a cada trinta dias. Até 2003, 75% dos pedidos se concentravam na picanha. “Hoje, nosso cliente quase não se interessa por ela”, diz o proprietário Sylvio Lazzarini. As antigas vedetes da grelha viraram coadjuvantes de saborosos cortes de contrafilé conhecidos por ojo de bife (R$ 75,50), rib-eye (R$ 82,50) e new york steak (R$ 76,50). Lazzarini, um ex-criador de gado que andava insatisfeito com o baixo preço pago pelas arrobas que produzia, pulou a cerca em 1993. Na época, recebeu um convite de um amigo para se associar ao restaurante italiano Macchiavelli. “Respondi que minha especialidade eram as carnes, e não as massas”, conta. Assim surgiu o Varanda. O sucesso foi tamanho que o negócio precisou se expandir, ocupando dois imóveis vizinhos. Numa linha contínua de prosperidade, o empresário levou a bandeira dos cortes nobres ao Shopping JK Iguatemi no ano passado. No novo endereço, já são atendidos 10.000 clientes por mês, 2.000 a mais que na matriz, no Itaim. (Preços checados em setembro/outubro de 2013).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2013 - Indicado

      Restaurantes sommelier Comer & Beber .

      Os 18.000 clientes que passam por mês pelas duas unidades do Varanda parecem não se importar de gastar, pelo menos, R$ 140,00 por refeição. Com entusiasmado apetite, eles devoram ótimos cortes em estilo brasileiro, argentino e americano, extraídos de rebanhos angus e black angus, além de caríssimos bifões marmorizados da raça japonesa wagyu (o de chorizo pode custar R$ 242,00). Para saciar tanta gente, 8 toneladas de carne saltam da churrasqueira inclinada a cada trinta dias. Até 2003, 75% dos pedidos se concentravam na picanha. “Hoje, nosso cliente quase não se interessa por ela”, diz o proprietário Sylvio Lazzarini. As antigas vedetes da grelha viraram coadjuvantes de saborosos cortes de contrafilé conhecidos por ojo de bife (R$ 75,50), rib-eye (R$ 82,50) e new york steak (R$ 76,50). Lazzarini, um ex-criador de gado que andava insatisfeito com o baixo preço pago pelas arrobas que produzia, pulou a cerca em 1993. Na época, recebeu um convite de um amigo para se associar ao restaurante italiano Macchiavelli. “Respondi que minha especialidade eram as carnes, e não as massas”, conta. Assim surgiu o Varanda. O sucesso foi tamanho que o negócio precisou se expandir, ocupando dois imóveis vizinhos. Numa linha contínua de prosperidade, o empresário levou a bandeira dos cortes nobres ao Shopping JK Iguatemi no ano passado. No novo endereço, já são atendidos 10.000 clientes por mês, 2.000 a mais que na matriz, no Itaim. (Preços checados em setembro/outubro de 2013).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2013 - Vencedor

      Restaurantes carnes Comer & Beber .

      Os 18.000 clientes que passam por mês pelas duas unidades do Varanda parecem não se importar de gastar, pelo menos, R$ 140,00 por refeição. Com entusiasmado apetite, eles devoram ótimos cortes em estilo brasileiro, argentino e americano, extraídos de rebanhos angus e black angus, além de caríssimos bifões marmorizados da raça japonesa wagyu (o de chorizo pode custar R$ 242,00). Para saciar tanta gente, 8 toneladas de carne saltam da churrasqueira inclinada a cada trinta dias. Até 2003, 75% dos pedidos se concentravam na picanha. “Hoje, nosso cliente quase não se interessa por ela”, diz o proprietário Sylvio Lazzarini. As antigas vedetes da grelha viraram coadjuvantes de saborosos cortes de contrafilé conhecidos por ojo de bife (R$ 75,50), rib-eye (R$ 82,50) e new york steak (R$ 76,50). Lazzarini, um ex-criador de gado que andava insatisfeito com o baixo preço pago pelas arrobas que produzia, pulou a cerca em 1993. Na época, recebeu um convite de um amigo para se associar ao restaurante italiano Macchiavelli. “Respondi que minha especialidade eram as carnes, e não as massas”, conta. Assim surgiu o Varanda. O sucesso foi tamanho que o negócio precisou se expandir, ocupando dois imóveis vizinhos. Numa linha contínua de prosperidade, o empresário levou a bandeira dos cortes nobres ao Shopping JK Iguatemi no ano passado. No novo endereço, já são atendidos 10.000 clientes por mês, 2.000 a mais que na matriz, no Itaim. (Preços checados em setembro/outubro de 2013).

      Arnaldo Lorençato e Helena Galante

    • 2012 - Indicado

      Vinhos carta de vinhos Comer & Beber .

      Se uma já era boa, agora, com duas, ficou ainda melhor. A churrascaria premiada por quatro vezes consecutivas a melhor da cidade ganhou em junho de 2012 uma filial no Shopping JK Iguatemi. “Primeira e única”, garante o proprietário Sylvio Lazzarini. Nos dois endereços, encontram-se cortes de qualidade excepcional. Batizado de romeu e julieta, o duo de picanha e assado de tira permite comparar duas carnes derivadas de diferentes partes do boi. Outra delícia é o caríssimo bife de chorizo extraído do gado wagyu. Ricamente marmorizado em gordura, tem extraordinária riqueza de sabor. As duas pedidas fazem par perfeito com as batatas suflês. Antes vá de costelinha de tambaqui. O serviço de vinhos é conduzido com maestria por Tiago Locatelli, que recomenda o italiano Mazzei Chianti Classico Fonterutoli 2009.

      Veja SP

    • 2012 - Indicado

      Vinhos sommelier do ano Comer & Beber .

      Se uma já era boa, agora, com duas, ficou ainda melhor. A churrascaria premiada por quatro vezes consecutivas a melhor da cidade ganhou em junho de 2012 uma filial no Shopping JK Iguatemi. “Primeira e única”, garante o proprietário Sylvio Lazzarini. Nos dois endereços, encontram-se cortes de qualidade excepcional. Batizado de romeu e julieta, o duo de picanha e assado de tira permite comparar duas carnes derivadas de diferentes partes do boi. Outra delícia é o caríssimo bife de chorizo extraído do gado wagyu. Ricamente marmorizado em gordura, tem extraordinária riqueza de sabor. As duas pedidas fazem par perfeito com as batatas suflês. Antes vá de costelinha de tambaqui. O serviço de vinhos é conduzido com maestria por Tiago Locatelli, que recomenda o italiano Mazzei Chianti Classico Fonterutoli 2009.

      Veja SP

    • 2012 - Vencedor

      Restaurantes carnes Comer & Beber .

      Se uma já era boa, agora, com duas, ficou ainda melhor. A churrascaria premiada por quatro vezes consecutivas a melhor da cidade ganhou em junho de 2012 uma filial no Shopping JK Iguatemi. “Primeira e única”, garante o proprietário Sylvio Lazzarini. Nos dois endereços, encontram-se cortes de qualidade excepcional. Batizado de romeu e julieta, o duo de picanha e assado de tira permite comparar duas carnes derivadas de diferentes partes do boi. Outra delícia é o caríssimo bife de chorizo extraído do gado wagyu. Ricamente marmorizado em gordura, tem extraordinária riqueza de sabor. As duas pedidas fazem par perfeito com as batatas suflês. Antes vá de costelinha de tambaqui. O serviço de vinhos é conduzido com maestria por Tiago Locatelli, que recomenda o italiano Mazzei Chianti Classico Fonterutoli 2009.

      Veja SP

    • 2011 - Vencedor

      Restaurantes carnes Comer & Beber .

      Com três salões e um jardim central que une dois deles, a casa de Sylvio Lazzarini Neto apresenta ótimos cortes em quatro estilos. Foram eles que garantiram ao restaurante o troféu de melhor de sua categoria nesta e em duas edições anteriores do “Comer & Beber”. Além de versões nacionais, entre as quais a picanha, o cardápio montado pelo restaurateur traz o kobe beef de estilo japonês. Desperta o apetite o strip loin, saborosa variação do contrafilé rica em gordura. Completam as ofertas especialidades aos estilos americano e argentino. Como nos Estados Unidos, o ribeye é uma peça alta e sumarenta. Magro, o vacío (fraldinha) importado da Argentina, ainda que rico em fibras, chega tenro e úmido. Essas e as demais carnes do menu são grelhadas com precisão pela equipe comandada pelo mestre-churrasqueiro Fábio do Carmo Reis. De companhia, vão bem a mandioca frita sequinha assim como a salada que compõe o couvert. No comando do serviço de vinhos está Tiago Locatelli, secundado por Valquiria Pereira. Escolhido o sommelier número 1 da cidade pelo segundo ano consecutivo, ele indica novidades da carta, como o alemão Meyer-Näkel Spätburgunder QbA 2009, pinot noir da região de Ahr.

      Veja SP

    • 2011 - Indicado

      Vinhos carta de vinhos Comer & Beber .

      Com três salões e um jardim central que une dois deles, a casa de Sylvio Lazzarini Neto apresenta ótimos cortes em quatro estilos. Foram eles que garantiram ao restaurante o troféu de melhor de sua categoria nesta e em duas edições anteriores do “Comer & Beber”. Além de versões nacionais, entre as quais a picanha, o cardápio montado pelo restaurateur traz o kobe beef de estilo japonês. Desperta o apetite o strip loin, saborosa variação do contrafilé rica em gordura. Completam as ofertas especialidades aos estilos americano e argentino. Como nos Estados Unidos, o ribeye é uma peça alta e sumarenta. Magro, o vacío (fraldinha) importado da Argentina, ainda que rico em fibras, chega tenro e úmido. Essas e as demais carnes do menu são grelhadas com precisão pela equipe comandada pelo mestre-churrasqueiro Fábio do Carmo Reis. De companhia, vão bem a mandioca frita sequinha assim como a salada que compõe o couvert. No comando do serviço de vinhos está Tiago Locatelli, secundado por Valquiria Pereira. Escolhido o sommelier número 1 da cidade pelo segundo ano consecutivo, ele indica novidades da carta, como o alemão Meyer-Näkel Spätburgunder QbA 2009, pinot noir da região de Ahr.

      Veja SP

    • 2011 - Vencedor

      Vinhos sommelier do ano Comer & Beber .

      Com três salões e um jardim central que une dois deles, a casa de Sylvio Lazzarini Neto apresenta ótimos cortes em quatro estilos. Foram eles que garantiram ao restaurante o troféu de melhor de sua categoria nesta e em duas edições anteriores do “Comer & Beber”. Além de versões nacionais, entre as quais a picanha, o cardápio montado pelo restaurateur traz o kobe beef de estilo japonês. Desperta o apetite o strip loin, saborosa variação do contrafilé rica em gordura. Completam as ofertas especialidades aos estilos americano e argentino. Como nos Estados Unidos, o ribeye é uma peça alta e sumarenta. Magro, o vacío (fraldinha) importado da Argentina, ainda que rico em fibras, chega tenro e úmido. Essas e as demais carnes do menu são grelhadas com precisão pela equipe comandada pelo mestre-churrasqueiro Fábio do Carmo Reis. De companhia, vão bem a mandioca frita sequinha assim como a salada que compõe o couvert. No comando do serviço de vinhos está Tiago Locatelli, secundado por Valquiria Pereira. Escolhido o sommelier número 1 da cidade pelo segundo ano consecutivo, ele indica novidades da carta, como o alemão Meyer-Näkel Spätburgunder QbA 2009, pinot noir da região de Ahr.

      Veja SP

    • 2010 - Vencedor

      Vinhos sommelier do ano Comer & Beber .

      Em uma das escolhas mais difíceis e esperadas, o Varanda, pelo segundo ano consecutivo, leva o troféu de melhor de sua categoria na cidade. Vence assim concorrentes de peso como o Baby Beef Rubaiyat, o Templo da Carne Marcos Bassi e o Martín Fierro. O menu apresenta cortes espetaculares no estilo de três países — os Estados Unidos são fonte de inspiração para o porterhouse (contrafilé com filé-mignon); a Argentina, para o bife de cuadril (centro da alcatra em gordura); e o Brasil, para o bife de tira (picanha). De guarnição, o palmito pupunha assado chega macio e cortado em pedaços para ser banhado em molho de azeite e alcaparra. Outra opção de primeira, a costeleta de cordeiro vai à mesa em peça inteira, cortada na hora em seis fatias. Combina bem com a polenta cremosa sugerida de guarnição. Como alternativa às carnes, passou a fazer o grelhado dos pescadores, uma composição de lula, polvo, lagosta pequena, camarão gigante e peixe do dia. Tudo muito fresco e de ótima qualidade. A carta de vinhos, eleita a melhor de relação qualidade-preço, está nas mãos do gaúcho Tiago Locatelli, apontado como o sommelier número 1 da cidade segundo o júri de VEJA SÃO PAULO. Entre os tintos, encontram-se o francês Côtes du Rhône Guigal 2004 e o espanhol Pagos de San Miguel 2001.

      Veja SP

    • 2010 - Vencedor

      Restaurantes carnes Comer & Beber .

      Em uma das escolhas mais difíceis e esperadas, o Varanda, pelo segundo ano consecutivo, leva o troféu de melhor de sua categoria na cidade. Vence assim concorrentes de peso como o Baby Beef Rubaiyat, o Templo da Carne Marcos Bassi e o Martín Fierro. O menu apresenta cortes espetaculares no estilo de três países — os Estados Unidos são fonte de inspiração para o porterhouse (contrafilé com filé-mignon); a Argentina, para o bife de cuadril (centro da alcatra em gordura); e o Brasil, para o bife de tira (picanha). De guarnição, o palmito pupunha assado chega macio e cortado em pedaços para ser banhado em molho de azeite e alcaparra. Outra opção de primeira, a costeleta de cordeiro vai à mesa em peça inteira, cortada na hora em seis fatias. Combina bem com a polenta cremosa sugerida de guarnição. Como alternativa às carnes, passou a fazer o grelhado dos pescadores, uma composição de lula, polvo, lagosta pequena, camarão gigante e peixe do dia. Tudo muito fresco e de ótima qualidade. A carta de vinhos, eleita a melhor de relação qualidade-preço, está nas mãos do gaúcho Tiago Locatelli, apontado como o sommelier número 1 da cidade segundo o júri de VEJA SÃO PAULO. Entre os tintos, encontram-se o francês Côtes du Rhône Guigal 2004 e o espanhol Pagos de San Miguel 2001.

      Veja SP

    • 2010 - Vencedor

      Vinhos carta de vinhos Comer & Beber .

      Em uma das escolhas mais difíceis e esperadas, o Varanda, pelo segundo ano consecutivo, leva o troféu de melhor de sua categoria na cidade. Vence assim concorrentes de peso como o Baby Beef Rubaiyat, o Templo da Carne Marcos Bassi e o Martín Fierro. O menu apresenta cortes espetaculares no estilo de três países — os Estados Unidos são fonte de inspiração para o porterhouse (contrafilé com filé-mignon); a Argentina, para o bife de cuadril (centro da alcatra em gordura); e o Brasil, para o bife de tira (picanha). De guarnição, o palmito pupunha assado chega macio e cortado em pedaços para ser banhado em molho de azeite e alcaparra. Outra opção de primeira, a costeleta de cordeiro vai à mesa em peça inteira, cortada na hora em seis fatias. Combina bem com a polenta cremosa sugerida de guarnição. Como alternativa às carnes, passou a fazer o grelhado dos pescadores, uma composição de lula, polvo, lagosta pequena, camarão gigante e peixe do dia. Tudo muito fresco e de ótima qualidade. A carta de vinhos, eleita a melhor de relação qualidade-preço, está nas mãos do gaúcho Tiago Locatelli, apontado como o sommelier número 1 da cidade segundo o júri de VEJA SÃO PAULO. Entre os tintos, encontram-se o francês Côtes du Rhône Guigal 2004 e o espanhol Pagos de San Miguel 2001.

      Veja SP

    • 2009 - Vencedor

      Restaurantes carnes Comer & Beber .

      Em pouco mais de uma década de funcionamento, a esmerada churrascaria ganhou destaque no universo das maminhas e das picanhas. Alcança sua primeira e espetacular vitória derrotando o Baby Beef Rubaiyat, único campeão nas doze vezes anteriores em que a edição especial "Comer & Beber" foi publicada. O triunfo do Varanda deve ser creditado ao proprietário, Sylvio Lazzarini Neto. Empresário múltiplo formado pela Fundação Getulio Vargas, ele não é só dono desta casa, mas também da importadora e distribuidora de carnes Intermezzo, além do restaurante italiano Magistrale. O cardápio da churrascaria conta agora com dois soberbos cortes de gado wagyu trazidos da Austrália, país onde se desenvolve um dos maiores plantéis dessa raça japonesa fora do Japão e se obtém o famoso kobe beef. Ainda no menu estão grelhados aos estilos americano, argentino e brasileiro, como o top sirloin steak (medalhão de alcatra), o ojo de bife e a picanha. De escolta para as sugestões, encontram-se vinhos nobres numa ótima e cara carta, entre os quais o Meandro do Vale Meão 2006, tinto produzido no Douro.

      Veja SP

    Comentários
    Deixe um comentário

    Olá, ( log out )

    * A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

    Conectando a %s