Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Beefbar

(Desde 2020)

Tipos de Restaurantes: Carnes

VejaSP:

Endereço: Rua Barão de Capanema, 320 - São Paulo - SP ver no mapa

Telefone: (11) 23861918

Site: saopaulo.beefbar.com

Horário:

segunda-feira 12:00 - 23:00

terça-feira 12:00 - 23:00

quarta-feira 12:00 - 23:00

quinta-feira 17:00 - 23:00

sexta-feira 12:00 - 23:00

sábado 12:00 - 23:00

domingo 12:00 - 23:00

Faixa de preço: De R$211,00 a R$365,00

Informações adicionais: Acesso para deficientes, Lugares/Capacidade total (80), Levar vinhos (permite) (R$ 120,00)

Resenha por Arnaldo Lorençato

Filial de um famoso restaurante com matriz em Mônaco, o Beefbar chegou à capital pelas mãos de Felipe Massa, que também tem residência na cidade-estado europeia. Além do dono da marca, o italiano Riccardo Giraudi, o piloto tem como sócios o irmão Dudu Massa e o empresário Ruly Vieira. Como Giraudi é um importador de cortes de gado wagyu, a casa sempre foi especializada na carne japonesa conhecida como kobe beef, que tem sua expressão máxima, o Kagoshima A5, rosada, quase branca, de tão entremeada de gordura, embora no cardápio paulistano haja opções de animais uruguaios. De exemplares trazidos do Japão, a carne aparece em sugestões como guioza (R$ 34,00 porção com quatro) de massa crocante. Está também no par de sushi de wagyu queimado no maçarico e pincelado com molho feito com shoyu (R$ 56,00). Se esses preços parecem razoáveis, o valor dispara quando se pede o bife de chorizo (R$ 288,00, 150 gramas sem guarnição). O cardápio traz também pescados, caso do dragon shrimps (R$ 49,00), um tempurá de camarão com cogumelo shimeji besuntado com molho de wassabi, manga e maracujá, além de outras carnes, entre elas o ótimo carré de cordeiro uruguaio (R$ 89,00, 250 gramas). De sobremesa, só se você tiver paladar infantil para encarar o caro sorvete da casa (R$ 49,00), que pode ser sapecado de coberturas como crumble de leite Ninho e é oferecido com muita insistência pela brigada. Prefira o suflê de chocolate com sorbert de cacau e calda de caramelo (R$ 34,00), que no dia de uma de minhas visitas teria ficado melhor com mais dois minutos de forno. Uma recomendação: reservar. Sucesso desde a abertura, o Beefbar tem longas filas aos fins de semana. Prepare-se ainda para ocupar uma mesa num sempre apinhado salão.

Informações checadas em julho de 2021.

    Filial de um famoso restaurante com matriz em Mônaco, o Beefbar chegou à capital pelas mãos de Felipe Massa, que também tem residência na cidade-estado europeia. Além do dono da marca, o italiano Riccardo Giraudi, o piloto tem como sócios o irmão Dudu Massa e o empresário Ruly Vieira. Como Giraudi é um importador de cortes de gado wagyu, a casa sempre foi especializada na carne japonesa conhecida como kobe beef, que tem sua expressão máxima, o Kagoshima A5, rosada, quase branca, de tão entremeada de gordura, embora no cardápio paulistano haja opções de animais uruguaios. De exemplares trazidos do Japão, a carne aparece em sugestões como guioza (R$ 34,00 porção com quatro) de massa crocante. Está também no par de sushi de wagyu queimado no maçarico e pincelado com molho feito com shoyu (R$ 56,00). Se esses preços parecem razoáveis, o valor dispara quando se pede o bife de chorizo (R$ 288,00, 150 gramas sem guarnição). O cardápio traz também pescados, caso do dragon shrimps (R$ 49,00), um tempurá de camarão com cogumelo shimeji besuntado com molho de wassabi, manga e maracujá, além de outras carnes, entre elas o ótimo carré de cordeiro uruguaio (R$ 89,00, 250 gramas). De sobremesa, só se você tiver paladar infantil para encarar o caro sorvete da casa (R$ 49,00), que pode ser sapecado de coberturas como crumble de leite Ninho e é oferecido com muita insistência pela brigada. Prefira o suflê de chocolate com sorbert de cacau e calda de caramelo (R$ 34,00), que no dia de uma de minhas visitas teria ficado melhor com mais dois minutos de forno. Uma recomendação: reservar. Sucesso desde a abertura, o Beefbar tem longas filas aos fins de semana. Prepare-se ainda para ocupar uma mesa num sempre apinhado salão.

    Informações checadas em julho de 2021.