Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Teatro D, no Itaim, irá fechar as portas junto do hipermercado Extra

O espaço não conseguirá comemorar seu aniversário de três anos devido à venda do prédio em que está instalado, no Itaim Bibi

Por Sérgio Quintella Atualizado em 5 Maio 2022, 16h13 - Publicado em 6 Maio 2022, 06h00

Inaugurado em novembro de 2019, época em que não se falava em coronavírus por aqui (e em praticamente nenhum lugar do planeta), o Teatro D, localizado no estacionamento do hipermercado Extra, no Itaim, terá de fechar as portas. Não por causa de medidas epidemiológicas determinadas por governador ou prefeito, como ocorreu entre março e outubro de 2020, mas porque o prédio em que ele está instalado será demolido para a construção de um empreendimento imobiliário comercial.

+ Minicracolândias persistem e se multiplicam em diferentes pontos da cidade

No último dia 31 de março, a Justiça determinou a retomada da área, de 1 150 metros quadrados, por parte do Grupo Pão de Açúcar (GPA), dando linhas finais a uma história que começou como um sonho pessoal. “Sempre quis ter meu próprio teatro. Comecei a desenhar o projeto em 2016 e na inauguração, três anos depois, eu trouxe o Ney Matogrosso, de quem sou amigo, para um espetáculo memorável”, afirma o ator, diretor e produtor Darson Ribeiro, dono do espaço.

Imagem mostra espaço com mesa de madeira, tapete estampado colorido e diversos quadros na parede branca, à esquerda.
Um dos espaços de passagem e convívio, que também serão desmontados. Alexandre Battibugli/Veja SP

Também passaram pelos tablados de 113 metros quadrados do Teatro D peças de artistas como Heloisa Périssé, Eri Johnson e Cássia Kis. Na quarta-feira (27), Ribeiro recebeu a reportagem da Vejinha no foyer, espécie de antessala gigante do espaço principal — o do palco e das poltronas —, que abriga uma biblioteca, um café, área de exposições e pequenas apresentações artísticas e musicais, além de um coworking.

Prestes a precisar encaixotar toda a mudança, mas sem saber qual poderá ser o destino do mobiliário (“Onde vou colocar as 350 poltronas que foram projetadas para caber no espaço em que estão?”), o empresário era um misto de tristeza, conformação e um pouco de mágoa. “Fiz o contrato em 2019, mas o prédio estava vendido desde 2017. Encomendei projeto arquitetônico e tirei todas as licenças municipais. Eu montei um teatro, não uma banca de coxinhas. Eles deveriam ter falado para eu não investir tudo o que eu investi”, diz.

Imagem mostra interior de espaço com tapete estampado, colorido, e estantes com livros ao fundo
Espaço de convívio que será demolido. Alexandre Battibugli/Veja SP
Continua após a publicidade

Segundo suas contas, até agora foi gasto mais de 1 milhão de reais desde o início da empreitada. “Mas me ofereceram apenas 100 000 reais a título de indenização”. Procurado, o Pão de Açúcar diz que sempre tentou um acordo amigável. “O contrato de locação, desde o início, não garantiu ao locatário um prazo determinado. A companhia, prezando pelo respeito à parceria, sempre buscou uma composição amigável para o tema, e tem realizado diversas tratativas, reuniões e propostas a fim de chegar a uma resolução sobre o encerramento da parceria, o que já incluiu, até mesmo, a concessão de descontos e a negociação de dívidas do cliente.”

A venda e a demolição do prédio do Extra, que no passado abrigou o falido e extinto Mappin, vão abrir espaço para a construção de um empreendimento comercial de três blocos e apenas cinco andares cada. Para “fugir” dos valores cobrados pela prefeitura para a construção de torres maiores e aproveitando que o terreno possui 16 900 metros quadrados (quatro vezes o tamanho da Praça Benedito Calixto, por exemplo), o condomínio vai ligar as quatro ruas da edificação.

No térreo dos prédios, haverá espaço para atividades comerciais, como lojas e restaurantes. Nesse novo espaço, também caberia um bonito e aconchegante teatro.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 11 de maio de 2022, edição nº 2788

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês