Continua após publicidade

Trupes paulistanas adaptam galpões, contêiner e até ônibus para suas peças

A Cia. Mungunzá de Teatro utilizou as estruturas metálicas para construir sua sede em um terreno público na Santa Ifigênia, no Centro

Por Clayton Freitas e Júlia Rodrigues
Atualizado em 11 nov 2022, 14h25 - Publicado em 11 nov 2022, 06h00

Grupos de teatro alternativo da capital têm diversificado cada vez mais os espaços para apresentar suas produções. A lista vai desde galpões, passando por casas, bares, ônibus e até contêineres, como é o caso da Cia. Mungunzá de Teatro, que há cinco anos montou sua sede em um terreno público na Santa Ifigênia, no Centro.

+Depois de quase 30 anos, ‘Três Mulheres Altas’ faz nova temporada em SP

O teatro é, na verdade, a junção de dez contêineres marítimos, que comportam, além do palco, plateia para 100 pessoas, bilheteria, banheiros, lanchonete, camarim e salas ocupadas por coletivos e organizações dos moradores da região. “Nós nos apresentamos em locais diversos, já transformamos quadra de escola em palco, por exemplo, mas nossa sede fica disponível para outras companhias”, diz Marcos Felipe, 39, ator responsável pela produção do grupo.

Perto dali, no terminal Parque Dom Pedro II, na Sé, a Zózima Trupe fixou sua residência artística, apresentando espetáculos dentro de um ônibus. “É uma escolha, e não porque não tínhamos espaços em teatros”, afirma Anderson Maurício, 39, diretor e cofundador da trupe. Além do Parque Dom Pedro II, eles também apresentam suas montagens partindo de outros terminais e pontos turísticos, como ocorrerá neste dia 11 de novembro, com saídas do Sesc Bom Retiro às 17h e às 18h30. Na próxima segunda (14), o ônibus parte do Sesc Carmo às 11h e às 15h.

Ônibus de lataria coberta por ilustrações amarelas andando na rua. No visor, está escrito
Quatro rodas: ônibus em movimento é espaço cênico da Zózima Trupe (Leonardo Souzza/Zózima Trupe/Divulgação)

+Velório de Gal Costa acontecerá na sexta-feira (11) em São Paulo

Mestre em artes e integrante da Associação Paulista de Críticos de Arte, Miguel Arcanjo Prado explica que o uso de locais não convencionais não é recente, mas vem se intensificando com a criação de leis de fomento. “Sobreviver só por público (bilheteria) é impossível. Esses editais permitem uma maior experimentação dos artistas, que não têm um compromisso de oferecer o que o público já está acostumado a ver, podendo provocá-lo um pouco mais e surpreendê-lo”, diz.

Continua após a publicidade

Instalada desde 2017 em uma casa com um galpão anexo que servia de estacionamento de caminhões, na Vila Ré, na Zona Leste, a sede do Teatro Baile faz as vezes até de dormitório. “Aqui encontramos duas coisas importantes: vida comunitária, para o grupo pernoitar, e o galpão, para as apresentações”, afirma Edu Brisa, 43 anos, diretor e dramaturgo.

Grande trupe de teatro reunida nos fundos de um galpão aberto. Eles sorriem e acenam para a foto. Na frente, uma criança está em pé, de costas, e brinca com objetos disposto em uma mesa de madeira circular
Festa: espaço do teatro Baile inclui casa (ao fundo); estética do lugar foi pensada para abrigar espetáculos que acabam em celebração (Tally Campos/Teatro Baile/Divulgação)

A relação das trupes com os espaços que ocupam muitas vezes não permite que as montagens sejam encenadas nos palcos tradicionais. É o caso do 28 Patas Furiosas, que mescla artes visuais e cênicas e desenvolveu a sua trilogia em um bar. “O espaço ditou um pouco o que a gente poderia fazer ali”, diz a atriz Sofia Botelho, 36, cofundadora da trupe. Desde abril o grupo se mudou para um galpão, num formato de um grande corredor, no Bom Retiro, no Centro.

Interior de um galpão em formato de corredor, com vários objetos e luzes cênicas dispostas pelo chão
Era um bar: local do 28 Patas Furiosas é um galpão em formato de corredor (Micaela Wernicke/28 Patas Furiosas/Divulgação)

A versatilidade de poder usar como quiser um grande galpão de 400 metros quadrados, que antes era ocupado por uma antiga cristaleria, no Belenzinho, na Zona Leste, levou o Grupo Sobrevento a montar uma plateia para bebês a partir de 6 meses de idade para um espetáculo que eles criaram para crianças. “A gente não se limita pelo espaço”, afirma Sandra Vargas, 55, diretora e atriz do grupo.

Já a Cia. Paideia de Teatro transformou um antigo pátio para coletores de lixo em Santo Amaro, na Zona Sul, em sua sede, com a ajuda de voluntários. “Trabalhamos com teatro para a infância e a juventude, e acabamos recebendo ajuda de parentes dos jovens que eram eletricistas, vidraceiros…”, conta Suzana Azevedo, uma das gestoras. O local tem ainda aulas de música e dança, biblioteca e cinema.

Continua após a publicidade
Plateia de teatro com estruturas específicas para bebês sentarem
Bebês: plateia específica para os pequenos no galpão ocupado pelo Sobrevento (Marco Aurelio Olimpo/Grupo Sobrevento/Divulgação)

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 16 de novembro de 2022, edição nº 2815

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.