Continua após publicidade

Com nova gestão, Cinemateca planeja reabertura para maio deste ano

Após cinquenta anos como docente da USP, Dora Mourão assume a direção da instituição e promete reerguê-la com debates, mostras e restauro do acervo

Por Humberto Abdo
Atualizado em 27 Maio 2024, 22h20 - Publicado em 11 mar 2022, 06h00

Com mais de 1 500 DVDs nas prateleiras de casa, a coleção de Dora Mourão, 74, nem se compara ao acervo do seu novo local de trabalho: a Cinemateca Brasileira. Eleita a nova diretora da instituição para um mandato de quatro anos, Dora tomou posse no início do mês, mas já faz parte da história do local há pelo menos vinte anos, quando começou a se envolver na Sociedade Amigos da Cinemateca, hoje responsável pela gestão da instituição. “Passei tanto pelos anos dourados, entre 2008 e 2013, quanto pela fase das vacas magras que vieram depois. Na grande crise, continuei participando como pro bono”, conta.

+Peça em homenagem a Ziraldo estreia no Teatro Alfredo Mesquita

Se depender da sua vontade, os anos dourados deverão voltar. “A intenção é começar reabrindo a biblioteca audiovisual ainda neste mês e as duas salas de cinema em maio, para o público geral”, adianta. Por enquanto, o primeiro passo tem sido contratar uma nova equipe, atualmente com quarenta funcionários, e iniciar o processo de captação de recursos. As mostras, debates e atividades para jovens e adolescentes, tão comuns no passado da organização, também estão na lista da nova gestora. “A ambição de ter a Cinemateca novamente em um patamar importante nós já temos, mas trabalhamos com cuidado e calma, dentro dos nossos limites.”

Dora evita chamar de “natural” sua escolha para assumir a direção, mas acredita ter sido uma decisão lógica — que coincide com sua aposentadoria como professora titular da USP, onde ficou cinquenta anos. “E tinha de ser alguém totalmente inteirada dos problemas para poder reerguer a Cinemateca.” Um dos mais recentes foi o incêndio na unidade da Vila Leopoldina, que continha cerca de 2 000 películas e centenas de documentos em julho de 2021.

Foto mostra unidade da Cinemateca pegando fogo
Incêndio em 2021: unidade da Vila Leopoldina pertence à União (Reprodução/Reprodução)

Além disso, houve uma inundação em 2020. “Agora estamos no processo de trazer os materiais que sobraram para a matriz (na Vila Clementino) e não dá para sequer pensar na reconstrução da Vila Leopoldina.” Pela falta de uso, equipamentos digitais e materiais da sede estão deteriorados, especialmente o laboratório de preservação — que já foi considerado um dos cinco melhores do mundo pela Federação Internacional de Arquivos Cinematográficos. “Muita gente se formou por lá, pois nunca existiu no Brasil um curso específico de preservação audiovisual.”

+Lollapalooza anuncia os horários dos shows e os respectivos palcos

Nascida no Uruguai, se mudou para São Paulo com 10 anos. A paixão por cinema só nasceu após duas experiências frustradas ao cursar filosofia por um ano e teatro em seguida. “Fiquei amiga do pessoal de cinema, que era mais participativo e cheio de ideias. Migrei de um curso para outro mais uma vez.” A indecisão não abalou seus pais na época. “Venho de uma família de imigrantes russos e poloneses e fui a primeira a ingressar na universidade, o que já foi bem importante para eles. Eu me destaquei por isso e nunca me questionaram por estar mais vinculada às artes.”

Prateleiras de metal com rolos de filme amarelos e azuis
Acervo respeitável: rolos e equipamentos passarão por restauros (TV Brasil/Reprodução)

Na ditadura militar, por outro lado, seu método de ensino, ao se tornar professora de montagem (montou filmes como São Paulo, Sinfonia e Cacofonia, de Jean-Claude Bernadet) a partir de 1972, foi questionado. “A reitoria tinha observadores do governo e viram que eu usava cópias de filmes russos nas aulas. Um dia recebi um recado para não exibi-los. Considerei que seria um problema para a formação dos alunos, então só avisei a turma. Disse ‘espero que ninguém me denuncie’ e continuei as aulas.” Desde então, seu gosto cinéfilo continua eclético e tolerante. “A única coisa a que não assisto é filme de terror, o terror hard. Quero ter prazer quando vejo um filme e pode ser tanto um documentário como os blockbusters da vida. Mas não todos… De Stallone e Schwarzenegger passo longe.”

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 16 de março de 2022, edição nº 2780

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.