Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

O cafezinho tem até um mundial, comemorado nesta terça (14)

No Brasil, o consumo da bebida, em especial coada, perde apenas para a água

Por Gabriela Del'Moro Atualizado em 14 abr 2020, 17h41 - Publicado em 14 abr 2020, 17h30

Coado, expresso, gelado… É difícil escolher apenas uma forma para apreciar o café. Nesta terça (14), é a data para se valorizar a bebida tão versátil e também comemorar o dia mundial do café.

Com primeiras aparições na África durante a Antiguidade, o grão foi levado atrás de atravessar fronteiras em direção ao Oriente no século XV. Nessa época, as propriedades do líquido já estavam na boca do povo. Mas, foi apenas no fim do século XIX que cativou pessoas nos quatro cantos mundo.

Nesse longo caminho de conquista do gosto popular, o Brasil sempre foi uma peça chave. O país acompanhou o boom da commodity e tornou-se o maior produtor e exportador de café do planeta.

No ano passado, segundo dados divulgados pela Organização Internacional do Café (OIC), foram consumidos mais de 10 bilhões de quilos de café ao redor do planeta. Desse total, o Brasil representa 28% da produção.

Assine a Vejinha a partir de 6,90 mensais.

E o futuro é próspero, a tendência demonstrada ano a ano é que o consumo do insumo continue crescendo. Inclusive, com maior interesse pelos cafés especiais.

Devido à Covid-19, porém, o balanço antes esperado para 2020 está sujeito a mudanças, principalmente considerando que a colheita do fruto costuma ocorrer em abril.

Em adaptação à pandemia, algumas cafeterias, que estão sem funcionar temporariamente na capital paulista, passaram a entregar os grãos em casa. Confira uma relação clicando aqui.

Continua após a publicidade
Publicidade