Imagem Blog

Tudo de Som

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Novidades da música, clipes, entrevistas, artistas, listas e shows, por Tomás Novaes.
Continua após publicidade

“Esse disco chega mais na alma”, diz Tim Bernardes sobre novo álbum

Mil Coisas Invisíveis, lançado na noite desta terça-feira (14), é o nome do novo trabalho do cantor e compositor paulistano, também membro da banda O Terno

Por Tomás Novaes
Atualizado em 15 jun 2022, 17h40 - Publicado em 15 jun 2022, 16h20

Após uma espera de cinco anos, o aguardado segundo disco solo do cantor e compositor paulistano Tim Bernardes, Mil Coisas Invisíveis (2022), veio ao mundo na noite desta terça-feira (14).

+ Sensação portuguesa do Eurovision, Maro faz shows em São Paulo

Com 15 faixas, o álbum duplo, lançado pelo Coala Records, selo do Coala Festival, é o sucessor do estreante Recomeçar (2017). O tempo entre os dois não foi silencioso – em 2019, com sua banda O Terno, Tim lançou o disco Atrás/Além, e, nos últimos anos, teve canções gravadas por Gal Costa, Maria Bethânia e Alaíde Costa e compôs parcerias com nomes como Jards Macalé e Erasmo Carlos.

Sem a melancolia matriz do antecessor, Mil Coisas Invisíveis traz canções envoltas por uma sonoridade que une os dois trabalhos: arranjos de produção minimalista, guiados por violão acústico ou piano, com presença de cordas. A nova leva de canções é mais diversificada – seja nos temas abordados, por vezes mais amplos e espirituais, seja na própria estrutura das composições, ora com letras prolixas (que lembram a lírica do compositor paulistano Maurício Pereira, pai de Tim), como no conto-canção Última Vez, ora com textos concisos, como em Falta.

Imagem mostra homem de suéter verde e calça branca sentado em mureta de pedra. A imagem é preenchida por um contorno verde.
A capa do disco Mil Coisas Invisíveis. (Marco Lafer e Isabella Vdd/Divulgação)

“A maioria das músicas foram feitas antes da pandemia. É um disco um pouco mais eclético do que Atrás/Além (2019) e Recomeçar (2017), que giram em torno de um tema só, cada um”, disse Tim em entrevista à VejinhaEntre os frutos pandêmicos, as canções que abrem o disco: Nascer, Viver, Morrer Fases. “Eu quis começar com elas duas para dar esse tom do disco – que é o que o diferencia de Recomeçar (2017). É um disco mais do espanto com a presença não-material da existência, ele tem um lado mais astral”, conta.

Sobre o título, Mil Coisas Invisíveis, Tim detalha o sentimento que inspirou o mote do álbum: “Eu acho que esse disco chega mais na alma. Ele pega esse sensação que a pandemia me trouxe que, quando a gente para, quando a gente tá quieto, a gente continua existindo. É esse ‘só ser’ que o Gil fala em Preciso Aprender a Só Ser: a simplicidade de você reparar que existe”.

Paisagens paulistanas, com citação de bairros como Santa Cecília, em BB (Garupa Amarela), e da Avenida Pompéia, em Velha Amiga, permeiam as letras. “Eu tive um jeito mais livre de compor as canções desse disco. Eu comecei a entender que o específico às vezes é um ingrediente que consegue falar ainda mais diretamente com as pessoas”, conta. Liberdade que rendeu, também, uma autorreferência jocosa no título da música A Balada de Tim Bernardes.

“É uma coisa de entender que o personagem já existe, eu querendo ou não. Eu já sou também uma persona do que as pessoas acham que eu sou. Então jogar um pouco com essa mística, que nem o Dylan fazia em Bob Dylan’s Dream, ou em a Balada de John e Yoko, tem a ver com estar em um momento em que faz sentido bancar esse tipo de coisa”, disse Tim.

Continua após a publicidade

Sobre as pressões do cenário musical contemporâneo em trazer, à cada passo na carreira, grandes novidades ou reformulações, Tim não se mostra abalado. “Acho que sobre isso de trazer coisas modernas eu não sinto uma pressão. Eu comecei a fazer música justamente não acreditando muito nessas máximas. Às vezes uma coisa de 1966, quando é contextualizada, representa uma novidade maior até do que a sonoridade da última banda indie”, diz. “Agora, retrô eu não tenho vontade de soar”, completou Tim.

Apesar do lançamento, as apresentações ao vivo do novo trabalho vão demorar um pouco para chegar aos palcos brasileiros. Isto porque o músico fará os shows de abertura da turnê americana da banda indie-folk Fleet Foxes, entre junho e julho. “Vai ter um lado de me reaquecer a fazer show, de experimentar algumas dessas canções ao vivo, mas eu acho que quando chegar aqui vou ter que preparar um show do disco – lá é uma apresentação para um público de fora”, disse o músico.

   +Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.