Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tudo de Som Novidades da música, clipes, entrevistas, artistas, listas e shows, por Tomás Novaes.

Sensação portuguesa do Eurovision, Maro faz shows em São Paulo

Após esgotar cinco datas no Bona, ela se apresentará na Sala São Paulo no próximo domingo (19); "Fiquei um pouco surpresa", disse em entrevista à Vejinha

Por Tomás Novaes Atualizado em 10 jun 2022, 16h41 - Publicado em 10 jun 2022, 06h00

Do outro lado do Atlântico, uma nova cena musical na nossa língua vem se entrelaçando cada vez mais com a música brasileira atual, rendendo turnês de lusitanos no Brasil. Um dos nomes mais quentes da trupe europeia é a cantora e compositora lisboeta Maro, que fará uma apresentação única na Sala São Paulo no próximo domingo (19), depois de esgotar cinco datas na casa de shows Bona, em Pinheiros.

+ Programação clássica: Festival Sesc de Música de Câmara traz atrações internacionais

Ela é a última representante de Portugal do festival Eurovision ocorrido em maio, chegando ao nono lugar com a canção Saudade, Saudade. A musicista, que faz parte da produtora do lendário empresário Quincy Jones, impressiona pela voz singular, que guia suas composições pop.

Confira abaixo a entrevista com a portuguesa.

Você já tinha feito shows aqui em São Paulo, mas nunca tantos quanto nessa temporada. Você ficou surpresa com as datas esgotadas? Você sente que encontra mais público no Brasil do que em Portugal?

Fiquei um pouco surpresa, sim. Fico sempre feliz demais de ver que tem gente querendo vir assistir, cantar junto. Não sei se tem mais público que Portugal, mas com certeza tem sido um país que me acolheu muito desde o início da minha carreira.

Você pensa em morar fora de Portugal?

Por agora, penso em morar fora, sim. Se é para sempre ou não… acho que a vida me vai mostrando. Não penso tanto para a frente, acho que tudo vai acontecendo no dia a dia.

Você faz parte de uma geração de músicos que estão conseguindo se relacionar mais com a cena brasileira do que no passado. Tiago Nacarato, Janeiro, Luísa e Salvador Sobral, você: todos estão entrelaçados musicalmente com o Brasil. Como você enxerga esse momento da música portuguesa?

Acho que a música brasileira sempre foi uma força muito grande em Portugal. Mas talvez agora essa conexão esteja sendo mais facilitada pelas redes sociais, que vieram abrir essa possibilidade de comunicação direta, mesmo na distância. E eu acho que isso, para a música portuguesa, só pode ser benéfico.

Quais são suas principais influências no seu desenvolvimento musical? Você escutava música brasileira na sua infância/adolescência?

Cresci ouvindo muita coisa diferente… desde os grandes brasileiros (Tom, Vinícius, Chico, Milton, Gil, Elis, Simone… lista não acaba!) a Nick Drake, Joni Mitchell, The Beatles, Rajery, Zeca Afonso, Fausto, Vozes Búlgaras, música do mundo… sempre fica muito difícil reduzir a uma lista o que, através da música, moldou a minha vida.

Continua após a publicidade

O Eurovision, além de trazer um holofote para os artistas, também traz uma questão de pátria e nacionalidade: os artistas representam seus países. Imagino que isso é um peso, e que rende todo o tipo de comentário e opinião. Como foi essa recepção do público português à sua participação no festival?

Sim, é um acontecimento que traz muitos comentários. Mas, felizmente, eu não senti essa pressão. Talvez tenha ajudado o fato de que fui bastante acolhida, não só pelo público português, mas pela Europa fora. Além disso, o fato de ir com um tema muito pessoal e do qual tenho muito orgulho contribuiu para que, não importando o resultado, o momento já fosse especial demais.

Por exemplo, vi comentários criticando a junção do português com o inglês, ou mesmo falando da sua dicção. Você acredita que isto é uma reação a um som que as pessoas estão conhecendo agora?

Talvez. Mas prefiro pensar que as pessoas pensam e sentem de maneira diferente e que é normal ter gente que não gosta. Seria estranho se eu conseguisse agradar a todo o mundo. Acho que isso também é a magia da coisa. Desde que eu faça as coisas de forma honesta e humilde… estou feliz. Agora, acho que o resto fica fora do meu controle.

Tem algum artista brasileiro contemporâneo que você nunca colaborou e tem muito interesse em fazer algo junto?

Vários! Mas, por agora, talvez o Emicida?

Sala São Paulo. Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos, 3367-9500. → Dom. (19), 11h. Grátis. salasaopaulo.art.br.

  +Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 15 de junho de 2022, edição nº 2793

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)