Imagem Blog

Tudo Sobre Cinema Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Continua após publicidade

Small Axe traz antologia de cinco filmes que abordam racismo na Inglaterra

Disponível no Globoplay, os episódios dirigidos pelo premiado Steve McQueen retratam o preconceito durante o fim da década de 60 e o início dos anos 80

Por Miguel Barbieri Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
16 abr 2021, 06h00

Diretor de Shame (2011) e do premiado 12 Anos de Escravidão (2013), Steve McQueen criou uma antologia de cinco filmes, com duração entre 128 e 63 minutos, que abordam o racismo na Inglaterra entre o fim da década de 60 e o início dos anos 80. Os cinco episódios fazem parte da minissérie Small Axe, disponível no Globoplay. Confira a avaliação de cada um deles.

Vermelho, Branco e Azul >Leroy Logan, interpretado por John Boyega (foto), é biólogo e está cansado de ver seu pai, um imigrante jamaicano, ser maltratado por policiais racistas. Nos anos 80, faz um curso para ingressar na Polícia metropolitana de Londres. seu destino é patrulhar a região onde mora. Logan, então, sofre ataques dos colegas de trabalho, que não aceitam um negro na corporação, e dos vizinhos pretos, que o consideram um traidor. inspirador e pioneiro, o personagem fez história e escreveu sua trajetória num livro.

John Boyeg, sentado em um banco de madeira. Há outras pessoas sentadas em volta, usando o mesmo terno que ele
John Boyega: ator é protagonista em Vermelho, Branco e Azul (Divulgação/Divulgação)

Educação > No início dos anos 70, Kingsley (Kenyah Sandy), de 12 anos, é um fiasco nos estudos e acaba sendo vítima de chacotas dos colegas e dos professores. Alegando baixa intelectualidade, o diretor informa à sua mãe que ele será transferido para uma escola para “alunos especiais”. Mas o novo colégio é um antro de adolescentes e crianças arruaceiras e negligenciadas pelos educadores. Embora Kingsley seja um personagem fictício, a situação é verídica ao mostrar como os ingleses segregavam os filhos dos imigrantes das Índias Ocidentais. Uma história potente contada sem floreios.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

O personagem Kingsley no centro de imagem, dentro de uma sala de aula com outros colegas. Todos estão sentados e olhando para frente
Educação: filme fictício, situação verídica (Divulgação/Divulgação)

Os Nove do Mangrove > O título nacional força a barra com Os 7 de Chicago (da Netflix) e não é à toa. Trata-se aqui também de um julgamento cujo motivo foi uma manifestação/embate envolvendo civis e polícia. Em 1968, no bairro de Notting Hill, um imigrante da ilha de Trinidad abre um restaurante para a comunidade. Mas os policiais que vigiam a região não encaram a abertura do Mangrove com bons olhos, sobretudo porque os donos e os clientes são negros. Haverá, enfim, um protesto contra as agressões racistas, que terminou com nove pessoas presas e julgadas. O que se observa no tribunal é uma aula de combate ao preconceito, destrinchada em depoimentos ora desconcertantes, ora comoventes.

O protesto dos negros em 1968, carregando faixas e cartazes com palavras em protesto a opressão contra os negros
O protesto dos negros em 1968: episódio de abertura é o melhor (Divulgação/Divulgação)

Lovers Rock > É o episódio mais “difícil” por dois motivos: não há um roteiro formal como nos outros filmes e o diretor Steve McQueen quer levar o espectador pela música numa árdua, porém ardente, experiência sensorial. Ambientado em 1980, a história flagra uma das blues parties, festas que a comunidade jamaicana dava em Londres. Embalados por reggae e versões românticas do gênero musical (o lovers rock do título), casais se formam (como o da foto abaixo) e se separam num ambiente descontraído e machista. O racismo desponta rapidamente numa cena

Casal em que a mulher está sendo abraçada por trás pelo homem. Ela aponta o dedo para frente
Lovers Rock: episódio mais “difícil” da série (Divulgação/Divulgação)

Alex Wheatle > Embora seja uma história verídica, o quarto episódio de Small Axe é o mais fraco e dá a sensação de déjà-vu. O roteiro não traz muitas novidades ao seguir a trajetória de Alex Wheatle, órfão criado em lares institucionais. Adulto (e interpretado por Sheyi Cole, no centro da foto), envolveu-se com o tráfico de maconha. A recriação do fim da década de 70 é competente, com destaque para a contagiante trilha sonora. Wheatle, que virou escritor, tem uma bela história de superação, mas o filme, de apenas uma hora, apenas rascunha sua vida conturbada.

Continua após a publicidade
Três pessoas, em que duas estão olhando para o lado e uma olha um pouco mais perto da direção da câmera. Elas estão com expressões neutras no rosto. A pessoa que olha um pouco mais perto da câmera é justamente a do centro.
Alex Wheatle: no centro da imagem, Sheyi Cole (Divulgação/Divulgação)

Publicado em VEJA São Paulo de 21 de abril de 2021, edição nº 2734

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.