Imagem Blog

Terraço Paulistano

Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.
Continua após publicidade

Lea. T sai em defesa de transexual que apareceu crucificada em Parada Gay. Leia entrevista

Com uma carreira de modelo que coleciona glórias – foi a primeira transexual na capa da revista ELLE e a estrelar uma campanha internacional de produto para os cabelos, além de exibir outras sucessivas quebras de tabus – a modelo Lea T., de 33 anos, saiu em defesa da transexual Viviany Beleboni, criticada por ter aparecido crucificada na última […]

Por João Batista Jr.
Atualizado em 26 fev 2017, 16h03 - Publicado em 10 jun 2015, 13h18
Lea T., 33 anos: "Sou abençoada, mas nem tudo são rosas" (Foto: Reprodução/Instagram)

Lea T., 33 anos: “Sou abençoada, mas nem tudo são rosas” (Foto: Reprodução/Instagram)

Com uma carreira de modelo que coleciona glórias – foi a primeira transexual na capa da revista ELLE e a estrelar uma campanha internacional de produto para os cabelos, além de exibir outras sucessivas quebras de tabus – a modelo Lea T., de 33 anos, saiu em defesa da transexual Viviany Beleboni, criticada por ter aparecido crucificada na última Parada Gay. “Ela quis falar dos nosso sofrimento”, afirmou. Cada vez mais espiritualizada, Lea tem passados temporadas em Alto Paraíso, Goiás, conhecida por ser uma região mística, mas não abdica de rezar o Pai Nosso diariamente. Confira entrevista:

O que achou a transexual Viviany Beleboni que apareceu crucificada na Parada Gay?
É algo delicado de se tratar, ainda mais no Brasil. Mas vamos ser corretos: por que esse assunto deu tanto drama? Eu entendo que ela possa ser má interpretada, mas não agiu de má fé. Queria passar uma mensagem sobre o que nós, trans, sofremos. Ninguém quer comparar nossa história a de Jesus Cristo. Ela quer falar do nossos problemas. Muitos famosos, como Neymar, já apareceram crucificados em capas de revista. A Madonna surgiu de pernas abertas na frente da cruz em shows. Ninguém fala nada. Mas agora, por se tratar uma transexual, o ato virou blasfêmia.

+ O rei do camarote se filia ao Partido Trabalhista Nacional

Você particularmente gostou do que ela fez?
Ela foi muito corajosa, mas tocou em um assunto que eu não teria tocado. Tenho uma imagem de Jesus – na verdade, de qualquer divindade e de qualquer religião – que não me atrevo a tocar em um contexto que não seja religioso. Mas isso não significa que eu não precise respeitar a filosofia dela. É bem claro que ela não queria ofender ninguém. Mas são escolhas. Há artistas que usam a imagem de cruz em teatro, cinema, museu… Eu fico indignada: por que ela não pode e os outros podem?

Você é muito espiritualizada?
Eu tenho muita fé. Rezo Pai Nosso, Ave Maria… Acredito em tudo que prega a paz e o amor.

(Foto: Fotoarena/FolhaPress )

Viviany Beleboni, na Parada Gay (Foto: Fotoarena/FolhaPress )

Continua após a publicidade

O que achou da troca de sexo do ex-atleta Bruce Jenner, hoje Caitlyn?

Na verdade, não sigo tanto aquela família (Jenner-Kardashian). Mas vi a história dela, que me chamou a atenção. É muito punk conseguir fazer o que fez. Para mim, a coragem maior foi passar por tudo isso tendo filhos. Precisa de uma força absurda para olhar para cara da sua filha e dizer que vai fazer tudo isso.

Depois de sua cirurgia de mudança de sexo, em março de 2012, sua carreira decolou ainda mais…
Entendendo que quando a pessoa segue o seu caminho, o destino só traz coisas legais. Mas a minha vida não tem apenas maravilhas. Eu passo pelos meus perrengues, como as outras trans. Eu fui sortuda. Agradeço de ter a família que eu tenho, presente. Me sinto abençoada, mas nem tudo são rosas.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.