Imagem Blog

Terraço Paulistano

Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.
Continua após publicidade

Hospital dos vibradores: o homem que conserta sex toys de todo o Brasil

Com oficina erótica no bairro da Penha, Bartô de Alencar "ressuscita" brinquedinhos adultos há 15 anos

Por Humberto Abdo
26 Maio 2023, 06h00

“Choveu de vibrador!”, relembra Bartô de Alencar, dono de uma “oficina erótica” na região da Penha, na Zona Leste, sobre o início de seu negócio. Especializado em consertos de brinquedos infantis desde 1986, o paulistano descobriu por acaso o ramo dos sex toys, ou brinquedos eróticos, que são hoje sua maior fonte de renda.

“Um casal chegou um dia perguntando se eu consertava qualquer tipo de brinquedo. Quando fui ver, o cara tinha colocado um pinto no balcão.”

+ Banho quente: visitamos a maior sauna gay do Centro de São Paulo

Mesa com ferramentas e vibradores coloridos. Aparece na foto uma mão ajustando um deles.
Hospital dos vibradores, na Penha. (Clayton Vieira/Veja SP)

Apesar da surpresa, o empresário descobriu que o passo a passo para reparar um brinquedinho adulto é igual a qualquer outro produto: às vezes a bateria está gasta, o motor quebrou ou, pior, a engenhoca deu “perda total”, normalmente quando o cliente exagera nos mergulhos com um modelo que promete ser à prova d’água. “Já falei para um dos nossos parceiros: só coloca na embalagem que é ‘resistente à água’, porque nenhum desses aguenta de verdade quando o pessoal leva para o chuveiro ou uma banheira.”

Continua após a publicidade

Após o primeiro pedido, Bartô decidiu entrar em contato com algumas sex shops, que forneceram as primeiras levas de peças quebradas para seu negócio, rebatizado de Hospital dos Vibradores. Desde então, ele atende marcas e pessoas de todo o país e viu o movimento crescer principalmente após a pandemia — mas ainda recebe produtos infantis. “Agora o forte é o consumidor final e a maioria dos itens chega por correio.”

Os preços dos consertos costumam variar de 40 a 120 reais, mas podem ultrapassar essa quantia, já que o critério de definição é ser 30% do valor do brinquedo.

+ Casa noturna promove noite de vivências eróticas só para mulheres

Seu primeiro contato com o universo dos reparos foi em uma empresa ligada à fabricante Estrela, nos anos 1980. “Abri meu próprio negócio pouco tempo depois porque a demanda era muito grande. Ninguém consertava brinquedos antigamente, assim como hoje ninguém conserta vibrador”, observa ele, que garante ser o único “consertador” de vibradores no Brasil até o momento. “E hoje, a cada duas bonecas que chegam por aqui, entram pelo menos uns doze brinquedos eróticos.”

Continua após a publicidade
Homem de barba grisalha aparece de pé apoiado em prateleira com vibradores coloridos quebrados. Ele sorri, veste jeans e camiseta verde.
Bartô de Alencar, proprietário de oficina erótica. (Clayton Vieira/Veja SP)

+ Pelados em Moema: os bastidores da nova festa nudista de São Paulo

Publicado em VEJA São Paulo de 31 de maio de 2023, edição nº 2843

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.