Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Em Terapia Por Arnaldo Cheixas Terapeuta analítico-comportamental e mestre em Neurociências e Comportamento pela USP, Cheixas propõe usar a psicologia na abordagem de temas relevantes sobre a vida na metrópole.

Stress no trânsito: se você usa com frequência o freio do seu carro, algo está errado

Há um comportamento bastante comum entre motoristas e que acaba promovendo o stress no trânsito: não manter a distância adequada em relação ao veículo da frente. Embora as autoridades de trânsito sempre alertem para o tema com foco no risco de colisões, andar colado no carro da frente ainda traz outras consequências danosas. + Um […]

Por VEJASP Atualizado em 26 fev 2017, 16h30 - Publicado em 3 set 2015, 16h14
SÃO PAULO,SP,24.06.2015:TRÂNSITO-SP - Trânsito na Marginal Tietê, sentido Rodovia Ayrton Senna, altura da Ponte do Limão, em São Paulo (SP), na manhã desta quarta-feira (24). (Foto: Newton Menezes/Futura Press/Folhapress)

Trânsito na Marginal Tietê (Foto: Newton Menezes/Futura Press/Folhapress)

Há um comportamento bastante comum entre motoristas e que acaba promovendo o stress no trânsito: não manter a distância adequada em relação ao veículo da frente. Embora as autoridades de trânsito sempre alertem para o tema com foco no risco de colisões, andar colado no carro da frente ainda traz outras consequências danosas.

+ Um papo rápido sobre o transtorno obsessivo-compulsivo

Ao manter uma distância curta demais, o tempo de reação a eventuais reduções de velocidade do veículo da frente precisa ser baixo. Para que o tempo de reação seja baixo, o sistema nervoso entra automaticamente em um estado de alerta. Isso significa que há aumento da frequência cardíaca e dos níveis de cortisol no sangue.

Este estado de alerta é uma função normal do organismo muito útil em momentos extremos mas, se recorrente, produz sérios problemas de saúde como aumento do risco de infarto, rebaixamento da imunidade (elevando a chance da instalação de outros quadros patológicos), depressão, crises de ansiedade, acidentes vasculares etc.

A coisa certa a se fazer é bastante simples: manter uma distância segura em relação ao veículo da frente. Embora simples, nem sempre é fácil de se fazer. Um bom indicativo para saber se você está mantendo a distância adequada se mostra o quanto você usa o freio de seu carro. Se você freia muito é porque está perto demais do veículo da frente.

Continua após a publicidade

+ Como controlar o stress no trânsito

Na semana passada, chegando em São Paulo pela rodovia Presidente Dutra, conversava a esse respeito com uma amiga que me acompanhava. Eu disse a ela que quase não uso o freio. Ela, então, supôs que eu devo dirigir correndo. Expliquei que é exatamente o contrário, porque o freio é mais necessário justamente se você está em velocidades altas. Resolvemos fazer um experimento de observação. Notamos que não precisei frear o carro uma única vez sequer desde o acesso à rodovia, na altura do aeroporto de Cumbica, até o semáforo da Avenida Doutor Abrahão Ribeiro, para quem sai da Ponte da Casa Verde.

Note-se que isso envolveu os acessos de confluência entre rodovia, vias expressa, semi-expressa e local da Marginal Tietê e também o acesso à ponte e o cruzamento do rio. Eu só precisei frear depois de cruzar a ponte porque o semáforo estava fechado.

Ela se surpreendeu pelo fato de que eu não conduzi o carro devagar; mantive sempre a velocidade bem próxima da máxima permitida. Foi um trajeto de 20 quilômetros percorrido em 20 minutos (velocidade média de 60 Km/h). Qual o segredo, então? Basicamente manter a distância certa do carro da frente. Qual a jeito de conseguir isso? Evitar frenagens.

Ao usar essa estratégia (não frear), você naturalmente vai encontrar a distância ideal para manter em relação ao veículo que vai à frente. Isso acontece porque, para conseguir não frear frequentemente, necessariamente você precisará de uma distância maior do carro que segue à frente.

+ Por que o trânsito nos enlouquece?

Você logo notará que estará dirigindo de maneira mais relaxada (sem tensão muscular), otimizará o tempo do trajeto, diminuirá a chance de se envolver em um acidente, evitará acessos de raiva e estresse, diminuirá o desgaste dos componentes de seu carro, transmitirá segurança para quem estiver no carro com você e ainda evitará doenças no longo prazo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)