Imagem Blog

Em Terapia

Por Arnaldo Cheixas
Terapeuta analítico-comportamental e mestre em Neurociências e Comportamento pela USP, Cheixas propõe usar a psicologia na abordagem de temas relevantes sobre a vida na metrópole.
Continua após publicidade

Precisamos de terapia para viver?

Pouco tempo depois de eu estar formado recebi de um tio o questionamento “precisamos de terapia para viver?”. Profissional em início de carreira e com todas as inseguranças que esta condição impõe, lembro-me de ter ficado incomodado com a pergunta, mas ao mesmo tempo motivado a travar com ele uma boa discussão. O fato foi que não […]

Por VEJASP
Atualizado em 26 fev 2017, 16h23 - Publicado em 15 set 2015, 22h13

terapia

Pouco tempo depois de eu estar formado recebi de um tio o questionamento “precisamos de terapia para viver?”. Profissional em início de carreira e com todas as inseguranças que esta condição impõe, lembro-me de ter ficado incomodado com a pergunta, mas ao mesmo tempo motivado a travar com ele uma boa discussão. O fato foi que não consegui lhe responder prontamente. Pedi alguns dias para pensar a respeito.

+ Como controlar o medo exagerado

Depois de uma semana refletindo, eu lhe dei a resposta. Não! Não precisamos de terapia para viver. Ele mostrou um discreto sorriso de satisfação. Eu complementei: “Tampouco precisamos de medicina, medicamentos, automóveis, smartphones, livros, ferramentas etc.”

Continua após a publicidade

Se levarmos em conta a condição biológica do ser humano chega-se à conclusão que, para sobreviver, precisamos basicamente de alimento, água, calor e a fuga predadores. Foi assim que nossos ancestrais viveram.

Acontece que a mesma condição biológica proveu a espécie humana com um telencéfalo altamente desenvolvido ao longo da evolução. Este telencéfalo impulsiona o ser humano a intervir no ambiente, tanto para entendê-lo melhor quanto para melhorar o conforto e as chances de sobrevivência ao longo do tempo. Esta é uma característica de nossa espécie que não pode ser deixada de lado. O humano inevitavelmente interfere no ambiente. A espécie humana não é determinada apenas pelas leis biológicas mas também pelos determinantes sócio-históricos.

Como resultado desse processo a população humana está aumentando e, ainda assim, com condições materiais melhores que no passado. Verdade que há uma discrepância enorme entre as diferentes regiões do globo mas, ainda assim, as condições concretas de vida humana estão em constante desenvolvimento.

Continua após a publicidade

+ Dicas para evitar crises de ansiedade e pânico

A expectativa de vida no Brasil era de 54 anos em 1960. Meio século depois ela já cruzou os 70 anos. No século XIX, ela não ultrapassava os 37 anos. Imagine alguém passando por terapia ou psicanálise no século XIX. O tempo de vida mais curto limitava o tipo de preocupações que se tinha. Essas preocupações eram com necessidades mais básicas como alimentação e doenças do corpo. Morria-se muito de infecções diversas, por exemplo. Mesmo no presente, imagine alguém que tenha de lidar com a escassez de alimento na África subsaariana. Que papel teria a psicoretapia para esta pessoa? Praticamente nenhum.

Assim, a resposta para a pergunta de meu tio é não se considerarmos a condição biológica do ser humano e sim, se precisamos de psicoterapia para viver se considerarmos nosso modo de vida moderno ocidental, no qual ganhamos algumas décadas a mais de vida com alta disponibilidade de alimento e conforto. Nossa existência angustia e é por isso que procuramos terapia. E a terapia não é mais que um dos recursos que a espécie desenvolveu para entender a realidade e nela intervir, só que a partir do próprio ser humano.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.