Imagem Blog

Pop! Pop! Pop!

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais
Continua após publicidade

Universitárias descobrem que mães foram melhores amigas

Sem querer, foi revelado às jovens que elas se conhecem desde quando eram bebês, mas perderam contato após uma mudança drástica

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 ago 2017, 18h47 - Publicado em 23 ago 2017, 18h31

O mundo é, realmente, muito pequeno: Roaya Jannatipour é uma jovem canadense que está estudando na Universidade da Califórnia. Seus pais se conheceram durante a faculdade, no Canadá, mas são nativos do Irã e do Marrocos. No primeiro dia de aula da jovem, recebeu um telefonema de uma amiga do colégio. Ela queria que Roaya conhecesse uma pessoa que estudaria com ela. “Vocês vão se dar muito bem”, avisou.

O encontro com Nissma Bencheikh aconteceu e não demorou muito para que as jovens se tornassem melhores amigas. Elas perceberam que tinham muitos assuntos em comum: ambas eram descendentes de marroquinos nascidas no Canadá, por exemplo. A amizade foi tanta que, no ano letivo seguinte, decidiram alugar um apartamento juntas.  No entanto, uma revelação inesperada acabou surpreendendo as duas mulheres.

Na semana passada, o pai de Nissma estava ajudando a filha com a mudança, quando as amigas decidiram apresentá-lo à mãe de Roaya por meio de uma videoconferência. Após falar com a mulher, o homem perguntou qual era o nome dela. Quando a universitária revelou, ele exclamou “eu sabia!”. “Eu fiquei muito confusa!“, confessou Roaya ao BuzzFeed.

As colegas de quarto então descobriram uma estranha coincidência: as mães das universitárias foram melhores amigas há muitos anos, mas perderam contato.

Continua após a publicidade

A amizade era tão longa que Nissma e Roaya descobriram que já se conheciam desde quando eram apenas bebês. A mãe de Roaya, inclusive, havia acompanhado de perto o nascimento da irmã mais nova de Nissma e também foi responsável por batizá-la. A estudante revelou que sempre soube “que o nome da irmã veio de uma das melhores amigas da minha mãe”, mas que ela nunca tinha conhecido a amiga em questão.

O contato chegou ao fim porque, quando as famílias se mudaram do Canadá para os Estados Unidos, elas se distanciaram: “A minha mãe está tentando encontrar a mãe dela no Facebook há algum tempo“, revelou Roaya ao BuzzFeed. A conexão surpreendentemente deixou as duas amigas em choque: “Eu estava gritando e pulando e gritando um pouco mais. Qual a chance disso acontecer?“, filosofou Roaya.

Continua após a publicidade

E as mães? Elas estão muito felizes por terem recuperado a amizade: “Elas estão combinando um reencontro durante o verão“.

Dê sua opinião: E você, o que achou da história curiosa? Deixe seu comentário e aproveite para curtir a nossa fanpage no Facebook!

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.