Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

O que esperar do novo livro de J.K. Rowling

Mundialmente famosa pelo fenômeno infantojuvenil Harry Potter, a escritora J.K Rowling lançou semana passada no Reino Unido seu novo livro. O primeiro romance da autora mira o público adulto e está se saindo muito bem, mas – como esperado – não teve o mesmo sucesso da saga do bruxo. The Casual Vacancy vendeu mais de […]

Por VEJASP Atualizado em 27 fev 2017, 12h01 - Publicado em 3 out 2012, 22h15

Mundialmente famosa pelo fenômeno infantojuvenil Harry Potter, a escritora J.K Rowling lançou semana passada no Reino Unido seu novo livro. O primeiro romance da autora mira o público adulto e está se saindo muito bem, mas – como esperado – não teve o mesmo sucesso da saga do bruxo. The Casual Vacancy vendeu mais de 120.000 cópias em apenas três dias, após seu lançamento no dia 27 de setembro.

Os que esperam histórias fantasiosas, personagens místicos e um universo completamente diferente da nossa realidade vão se decepcionar. A trama se passa na cidade inglesa Pagford (bem que podia ser em Hogwarts!) quando Barry Fairbrother morre repentinamente aos 40 anos. A tragédia vai desencadear uma disputa em uma cidade já marcada por conflitos. E (crianças, saiam da sala!), a trama tem cenas de sexo, estupro e uso de heroína.

Eis um trecho da sinopse: Os ricos em guerra com os pobres, os adolescentes em guerra com os pais, as mulheres em guerra com os seus maridos, os professores em guerra com os seus alunos… Pagford não é o que parece à primeira vista”. A história parece ser recheada de mistérios. No jornal inglês The Guardian, o crítico Theo Tait torceu o nariz para o resultado: “O livro trata de grandes questões políticas e morais de uma forma convencional”.

Resta aguardar a versão em português do romance e torcer para que, um dia, Rowling retome a saga Harry Potter ou crie outra tão épica quanto a do bruxinho. The Casual Vacancy deve chegar às livrarias brasileiras em dezembro deste ano – mas você já pode encontrar a versão em inglês em algumas livrarias da cidade.

(Pedro Katchborian e Tatiane Rosset)

Continua após a publicidade

Publicidade