Imagem Blog

Pop! Pop! Pop!

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais
Continua após publicidade

Mãe de Larissa Manoela é indiciada por intolerância religiosa

Silvana Taques utilizou o termo "macumbeira" para se referir à religião da família de André Luiz Frambach, noivo da filha

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
1 dez 2023, 17h10

Silvana Taques, mãe de Larissa Manoela, foi indiciada por intolerância religiosa pela Delegacia de Crimes Raciais e de Intolerância Religiosa (Decradi), do Rio de Janeiro. A denúncia foi feita em agosto pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Estado do Rio de Janeiro após a divulgação de mensagens na qual Silvana usava a palavra “macumbeira” para se referir de forma pejorativa à religião da família de André Luiz Frambach, noivo da filha. 

+ Acusado de agressão, ex de Naiara Azevedo se pronuncia

Nos prints da conversa pelo WhatsApp, publicadas pelo Uol, Silvana responde a uma mensagem de Larissa Manoela desejando feliz Natal: “Esqueci de te desejar…que você tenha um ótimo Natal aí com todos os guias dessa família macumbeira”. André e seus familiares seguem o espiritismo kardecista, enquanto a mãe de Larissa é católica e o pai, Gilberto Elias Santos, é evangélico. 

Na denúncia, a acusação alega que Silvana utilizou a palavra “macumbeiro”, associada a religiões de matriz africana, de forma pejorativa. Na notícia-crime, a Comissão entende a mensagem como “ato discriminatório travestido de formas contemporâneas de racismo”. 

+ Preta Gil passa por cirurgia para retirada de bolsa de ileostomia

Continua após a publicidade

No relatório, obtido pelo g1, a delegacia afirma que “o teor da mensagem cujo conteúdo é de intolerância religiosa extravasou a esfera privada atingindo toda uma comunidade formada por religiões de matriz africana pois foi recebida como insulto, intolerância, preconceito e ódio aos preceitos da referida religião”. 

A defesa pediu o arquivamento do caso alegando que não existem indícios de provas contra Silvana Taques, tendo em vista que os prints são provenientes do WhatsApp e não possuem veracidade comprovada. 

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.